PepsiCo anuncia compra bilionária e foca em um novo mercado – o de produtos saudáveis

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

21 de agosto de 2018 às 19:30 - Atualizado há 2 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Uma das mais influentes marcas de refrigerantes do mundo, a PepsiCo, anunciou nesta segunda-feira (20), por US$ 3,2 bilhões, a compra da israelense SodaStream – fabricante de máquinas que preparam em casa refrigerantes mais saudáveis. A iniciativa faz parte de um grande plano para o futuro da empresa: produzir bebidas menos açucaradas. 

Criada em 1903, no Reino Unido, a SodaStream teve sua primeira máquina lançada apenas mais de cinquenta anos depois, em 1955. Em 2010, a empresa abriu seu capital na Nasdaq e se consolidou como a maior empresa de sistemas domésticos de carbonatação de bebidas do mundo.

A empresa inovou permitindo que as pessoas transformem, em suas casas, água comum em gaseificada, adicionando sabores à bebida. No segundo trimestre de 2018, a SodaStream viu sua receita crescer 31%, atingindo US$ 171,5 milhões.

Além da aquisição da SodaStream, a PepsiCo também aumentou esforços para a mudança de seu portfólio de seus alimentos – bastante conhecido pelos famosos salgadinhos, como Doritos e Ruffles. Para isso, adquiriu a Bare Foods, fabricante de snacks à base de frutas e vegetais.

Em 2010, a companhia estabeleceu como meta que a venda de produtos saudáveis – que correspondiam por 20% do total – chegassem a US$30 bilhões. A mudança aconteceu, mas não da forma esperada, já que em 2017 cerca de 25% das vendas, ou cerca de US$17,5 bilhões vieram das linhas mais naturais. Em 2016, a meta foi atualizada para que os itens saudáveis ocupem mais de 50% das vendas até 2025.

Para isso, pode ser que a PepsiCo precise desacelerar as vendas do seu famoso refrigerante com o mesmo nome. No comando de Indra Nooyi, a companhia pagou, em 2016, US$200 milhões pela fabricante de bebidas probióticas KeVita – movimento que teve início em 2006 com a compra da fabricante de sucos Naked Juice.

Atualmente, com Ramon Laguarta na presidência, a companhia precisa se reinventar ainda mais e provar que pode ir além. Segundo Laguarta, a compra da SodaStream pode catalisar a habilidade da companhia de oferecer bebidas personalizadas feitas em casa ao redor do mundo.

Com as transformações e o surgimento de um novo perfil de consumidor, mais engajado com as causas ambientais e com a diminuição do uso de embalagens, o potencial do plano é grande. Porém, concorrentes da empresa e até mesmo a PepsiCo já investiram em iniciativas semelhantes. Em 2014, a companhia lançou o Pepsi Spire, uma máquina capaz de fabricar até mil bebidas customizadas. No mesmo ano, a Coca-Cola investiu na Keurig Green Mountain, que possibilitava fazer refrigerantes em casa. As duas iniciativas acabaram não dando certo.