Next5: como a tecnologia a serviço do cliente transformará o setor de seguros

Avatar

Por Lucas Bicudo

5 de setembro de 2017 às 12:47 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Para se preparar para as mudanças que estão por vir, a Liberty Seguros lançou o Next5, um estudo que revela as tendências que devem transformar o mundo dos seguros nos próximos cinco anos. Dividido em quatro grandes temas – “Sociedade fluida”, “Tecnologia a serviço das pessoas”, “Ter ou experimentar” e “Sustentabilidade humana”, o relatório aborda assuntos como flexibilização, big data, cultura de personalização e plataformas. Semana passada falamos da Modernidade Líquida e hoje damos sequência com “Tecnologia a serviço das pessoas”.

Essas novas inteligências podem atuar como ferramentas para mapear e compreender o impacto das empresas nas comunidades que atuam, tornando-se cada vez mais sustentáveis e relevantes para a sociedade. As pessoas podem ou não estar cientes disso, mas suas informações estão sendo coletadas a todo o momento. A excelência na utilização desses dados para uma melhor compreensão do mercado e criação de produtos e serviços mais assertivos é papel das companhias que enxergam além e focam em entregas que surpreendam e criem engajamento de seus clientes.

É preciso enxergar esta fonte de informação como uma ferramenta para se aproximar do mercado, usando estes dados para uma precificação mais justa e personalizada, por exemplo. Big Data não é uma realidade muito distante, visto que muitas startups do ramo de seguros já fazem uso desta fonte para criar produtos e serviços. O que se faz necessário é um rompimento da barreira psicológica que, muitas vezes impede a aceitação de recursos disruptivos, que saem do fluxo mais tradicional, como fonte de conhecimento e de evolução.

O desafio é ser assertivo nas novas ofertas e saber como comunicar isso ao público. A conectividade, que desmaterializou setores como entretenimento, hotelaria e transportes, deve alcançar o mercado segurador e transformá-lo completamente nos próximos 5 anos.

De olho nessas tendências, a Liberty Seguros está promovendo sua própria iniciativa de conexão com startups! O Programa Liberty Open CoLab busca por empresas que tenham soluções relacionadas a 4 componentes que, uma vez integrados, farão parte de um produto a ser testado pela companhia. São eles: solução sob demanda, pela qual o usuário é capaz de ativar ou desativa-la quando achar necessário; solução de meio de pagamento pré-pago (utilização de créditos); benefícios (cashback); e solução P2P (peer to peer), através de recomendações.

No universo de seguros existem diversas integrações de soluções digitais sendo incorporadas a antigos processos para tornar as interações mais leves: é possível fazer upload de fotos para avaliar e autorizar o pagamento de sinistros, pagamentos “real-time” através do uso de inteligência artificial, integração das interfaces do celular direto com a seguradora – sem necessidade de aplicativos, vistorias e outros processos através de tecnologia (AI, Drones), P2P.

Entender o comportamento das pessoas para customizar suas ofertas oferecendo serviços sob demanda e em tempo real, ao invés das tradicionais apólices de seguro que talvez ele nunca chegue a utilizar; desenvolver novas aplicações com tecnologias que facilitem a vida das pessoas, ajudem na prevenção e tornem o seguro uma experiência de uso para o cliente, são apenas alguns exemplos de soluções cruciais para esse novo mercado de seguros. No futuro será imprescindível gerar valor de uso para as pessoas para que elas se mantenham fiéis a uma marca de seguros, visto que haverá menos espaço para concorrência, pois quem entregar a melhor experiência, tenderá a concentrar a maior parte dos clientes e a mantê-los no longo prazo. Um cliente só vai trocar de um provedor de serviços para outro por conta de uma melhor experiência de entrega.

Um desafio adicional para o Brasil está em seu tamanho, diversidade de perfis e realidades socioculturais, que irá exigir que, além de desenhar um modelo futuro, as seguradoras invistam também em um modelo de transição que lhes permita atender a essa geração conectada e a analógica com a mesma qualidade e transparência. A entrega de valor constante e personalizada por toda a vida do cliente será definitiva para que ele permaneça fiel à marca que adapte sua oferta de acordo com seu momento de vida, necessidades e contexto.

Caso tenha interesse no Programa Liberty Open CoLab, clique no link, se inscreva e tenha mais informações.

Faça parte do maior conector do ecossistema de startups brasileiro! Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo! E se você tem interesse em anunciar aqui no StartSe, baixe nosso mídia kit.

[php snippet=5]