Itaú e bancos vão testar o uso de blockchain para realizar chamadas de margem

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

5 de fevereiro de 2018 às 12:28 - Atualizado há 3 anos

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

Apesar do blockchain ter surgido como a plataforma de transações das criptomoedas, hoje a sua função está cada dia mais desvinculada das moedas virtuais. Isso acontece devido aos seus variados usos, trazidos pela lógica criptografada e descentralizada da plataforma – algo que está sendo cada vez mais aproveitado pelas empresas. E esse é o caso do Itaú: nesta segunda-feira (5), o banco Itaú anunciou o início do projeto “Blockchain Collateral”, em que utiliza o Blockchain para trazer mais transparência, rapidez e rastreabilidade em chamadas de margem.

As chamadas de margem são negociações feitas com bancos, para que estes recebam garantias em operações no qual os riscos de crédito tornam-se desfavoráveis (geralmente, devido às flutuações do mercado). Periodicamente os valores são avaliados e recalculados por cada uma das partes. O projeto de Blockchain do Itaú surgiu para trazer um processo estabelecido, que, segundo o banco, trará “ganhos de eficiência aos participantes e transparência no processo de auditoria”.

Como de praxe, devido ao funcionamento do Blockchain, as chamadas de margem passarão a ser descentralizadas. Além disso, elas também serão padronizadas e feitas a partir da plataforma Corda do consórcio internacional R3, plataforma que une instituições financeiras para estudar e aplicar a tecnologia do blockchain. Neste caso em que o sigilo bancário é necessário, a tecnologia Corda criará uma rede na qual o compartilhamento de informações é seletivo.

“Estamos certos de que esta inovação trará ganhos reais de eficiência para o setor como um todo. Estamos ansiosos para expandir os benefícios que a tecnologia blockchain oferece, este é um início promissor”, afirma Cristiano Cagne, diretor de Operações do Itaú Unibanco”. Para saber os usos do blockchain além do mercado financeiro, leia o nosso e-book gratuito sobre a definição e aplicações dessa tecnologia.

[php snippet=5]