Fundadores do Instagram vão sair do Facebook (incluindo Mike, o brasileiro)

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

25 de setembro de 2018 às 10:13 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

Os fundadores do Instagram, Kevin Systrom e Mike Krieger, anunciaram ontem (24) que estão deixando a empresa, adquirida pelo Facebook em 2012, para “explorar novamente” sua “criatividade e curiosidade”. Segundo fontes do Bloomberg, os executivos estavam frustrados com um aumento no envolvimento diário de Mark Zuckerberg, que se tornou mais dependente do Instagram no planejamento do futuro do Facebook.

Sem os fundadores, provavelmente o Instagram se tornará mais integrado à plataforma. O New York Times já havia relatado a saída de Systrom e Krieger. Os fundadores confirmaram sua decisão em um post no blog , embora o Facebook não tenha feito comentários sobre a saída.

“Vamos tirar um tempo de descanso para depois explorar novamente nossa criatividade e curiosidade. Construir coisas novas exige que demos um passo para trás, entender o que nos inspira e combiná-lo com o que o mundo necessita. Isso é o que planejamos fazer”, disse Systrom, CEO do Instagram.

Em um comunicado, Zuckerberg disse que “Kevin e Mike são líderes extraordinários de produtos e o Instagram reflete seus talentos criativos combinados”, e que aprendeu muito trabalhando com eles nos últimos seis anos.

Krieger e Systrom fundaram o Instagram e o venderam para o Facebook por US$ 175 milhões. Quando o negócio foi anunciado, a empresa tinha apenas 13 funcionários e 30 milhões de usuários registrados. Agora, mais de 1 bilhão de pessoas usam o aplicativo mensalmente, que é a principal fonte de receita de publicidade para o Facebook fora do principal feed de notícias da rede social.

Mesmo com a crise enfrentada pelo Facebook há alguns meses por conta de diversos escândalos com seu uso dos dados dos usuários, o Instagram continua em alta. As ações do Facebook caíram mais de 6% este ano, depois de subir em todos os cinco anos anteriores. Em contrapartida, segundo Ken Sena, analista da Wells Fargo Securities, o Instagram está no caminho para fornecer ao Facebook uma receita de US$ 20 bilhões até 2020, cerca de um quarto do total do Facebook.

Há poucas semanas, o Facebook resolveu trazer de volta a diretora de operações do Instagram, Marne Levine, para torná-la chefe global de desenvolvimento de negócios. Já Adam Mosseri, que anteriormente dirigiu o feed de notícias do Facebook, se tornou o chefe de produto no início deste ano.