Corporate venturing perde fôlego lá fora, mas Google continua com fome

Da Redação

Por Da Redação

10 de agosto de 2016 às 12:39 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

O setor de corporate venturing – quando empresas estabelecidas investem em startups – perdeu fôlego no último trimestre, e atingiu o seu pior momento nos últimos 9 trimestres, mostra um relatório da CB Insights.

A quantidade de negócios realizados pelas áreas de Venture Capital de grandes empresas recuou 11% frente o penúltimo trimestre – de 335 para 298. Mas os valores investidos recuaram em um ritmo muito mais acelerado: queda de 41%, de US$ 8 bilhões para US$ 4,7 bilhões.

Não é uma queda, porém, sazonal. No mesmo trimestre do ano passado, foram 350 deals movimentando US$ 7,4 bilhões. A queda, portanto, é de 15% frente o número de negócios e de 36% em relação aos valores investidos.

Nesse trimestre, o Google Ventures se tornou o player mais ativo deste mercado, passando a Intel Capital. O braço de venture capital da Alphabet investiu em mais de 30 companhias, incluindo alguns nomes que tem se destacado no mercado, como ARMO BioSciences, Managed by Q e Ionic Security.

Algumas vezes um investimento de algum setor de investimento vem antes da aquisição. A Salesforce Ventures era um investidor no aplicativo Quip antes da própria empresa adquirir a totalidade dele este mês.

Neste ano, a maior parte dos grandes investimentos se concentrou no início do ano, como a Series C da Magic Leap, que levantou US$ 793,5 milhões em fevereiro. Um setor que perdeu fôlego é o de empresas de internet, que recebeu apenas US$ 1,8 bilhão no último trimestre, contra US$ 3,9 bilhões do último trimestre e do segundo trimestre de 2015. Isso representa uma queda de 53%.

Um fato interessante do mercado é que, enquanto o número de negócios fechados diminuiu, mais empresas estão apoiando startups. São 53 empresas que iniciaram seus programas de venture capital em 2016, o que deve superar as 85 do ano passado.

Mensagem da Brasil Ventures 

Olá, tudo bom?

Eu sou o Vinicius, Diretor Executivo do Brasil Ventures, uma organização para ajudar empresas como a sua a entenderem o novo ambiente de inovação e se manterem competitivas, através de Corporate Venturing.

Corporate Venturing é a forma de empresas inovarem mais rápido e mais barato por meio de investimento em startups ou transformando seus projetos internos em startups dirigidas por seus colaboradores, chamados de intra-empreendedores.

Eu quero te convidar para batermos um papo sobre este assunto! É só se cadastrar aqui em baixo e eu vou te enviar alguns e-mails  com o melhor conteúdo de Corporate Venturing para te ajudar a inovação mais rápida e disruptiva, fortalecendo seu negócio.

Este é um canal de comunicação direto para te ajudar. Quero saber das suas dificuldades e objetivos. O Brasil Ventures pode te ajudar a criar conexões com empresas inovadoras no Brasil e no mundo, oferece o melhor conteúdo e as melhores práticas de Corporate Venturing.

Faça parte da nossa comunidade e seja protagonista da próxima revolução no mercado.

Aguardo seu contato.

Abraços,
Vinicius Scaramel, Diretor Executivo da Brasil Ventures
[php snippet=7]
Mensagem do StartSe:
 
E não é só isso! Você tem alguma sugestão de pauta? Quer conversar sobre sua startup? Assessora alguma empresa? Tem alguma dica que pode ajudar outros leitores? Quer ter a SUA matéria publicada no site?
O StartSe quer ouvir de VOCÊ, nosso leitor, o que precisamos fazer para melhorar cada vez mais o site! Deixamos o form abaixo para você, mas se quiser, basta mandar um e-mail para redacao@startse.com.br!
 [contact_bank form_id=3]