BMW e Mercedes-Benz estão unindo seus serviços semelhantes ao Uber

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

29 de março de 2018 às 16:23 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Com a Nova Economia, as montadoras de carro estão transformando seu modelo de negócios de construção de carros para serviços de mobilidade urbana ou compartilhamento de carros. É o caso da BMW, Daimler e General Motors, por exemplo. Agora, as gigantes automotivas BMW e Daimler, dona da Mercedes-Benz, estão fundindo seus serviços de mobilidade.

A BMW e Daimler estão fundindo seus serviços de compartilhamento de carros, estacionamento, transporte pedidos em aplicativo e transporte multimodal. A Daimler adquiriu o aplicativo de mobilidade MyTaxi em 2014 através de sua subsidiária Moovel. A empresa ainda adquiriu a companhia de carpool Flinc e investiu em outras startups de mobilidade, como a startup de bateria para carros elétricos StoreDot.

No ano passado, a Mercedes-Benz realizou um empreendimento em conjunto com a startup Via para criar um novo serviço de mobilidade por aplicativo na Europa. Já a BMW também lançou um serviço de compartilhamento de carros chamado de ReachNow em algumas cidades dos Estados Unidos, serviço que oferece pelo nome de “DriveNow” na Europa.

A fusão entre os serviços da BMW e Daimler ainda está sob a tutela de reguladores, mas possui o potencial de intensificar a competição neste mercado.

“Essa aliança facilitará para nossos clientes descobrirem a mobilidade sem emissões de poluentes do nosso futuro. Nós continuamos competidores quando se trata dos melhores veículos premium. A fusão planejada dos nossos serviços de mobilidade irá unir nossos recursos e mandar uma forte mensagem aos nossos novos competidores”, comentou Harald Krüger, integrante da mesa diretora da BMW.

Se a fusão for aprovada, a BMW e Daimler dividirão a liderança na nova empresa de forma igualitária, cada uma sendo dona de 50% das ações. “Queremos combinar nossa expertise e experiência para desenvolver um ecossistema único e sustentável de mobilidade urbana”, finalizou Dieter Zetsche, participante do conselho da Daimler. Conheça essa e outras mudanças trazidas pela Nova Economia em nosso e-book gratuito.

[php snippet=5]