Para diretor do Banco do Brasil, líderes devem antecipar transformações

Ele também propôs três reflexões indispensáveis para os líderes fazerem em relação ao seu negócio

Avatar

Por Isabela Borrelli

27 de setembro de 2018 às 15:36 - Atualizado há 1 ano

O Banco do Brasil já provou que é um banco à frente do seu tempo. Em junho de 2016, estreou o Labbs, um laboratório de inovação no Vale do Silício, mais precisamente dentro da aceleradora Plug and Play. Como parte do programa de inovação, o banco incentiva o intraempreendedorismo composto por quatro etapas: Pensa – Trilha de Negócios Digitais, pré-incubação (denominada Garagem BB), incubação e aceleração. A Trilha de Negócios Digitais se materializa no Action BB, evento em que são reunidos perfis profissionais específicos para formação de times, como analistas de negócios, designers, desenvolvedores e cientistas de dados para a identificação e construção colaborativa de soluções, para as ideias selecionadas no Pensa.

Não é surpresa que a iniciativa do Labbs foi um sucesso, tendo sido inclusive premiada pela Plug and Play. Apesar do reconhecimento e da certeza de estar no caminho certo, o banco está longe de parar: no RH Day, José Caetano de Andrade, Diretor de Gestão de Pessoas do Banco do Brasil, apresentou mais novidades e provocou a audiência a instigar os próprios funcionários.

“O momento em que a gente vive hoje é de transformação mais intensa e mais acelerada. Se a liderança não estiver à frente dessa transformação, ela não vai ocorrer na velocidade que precisa”, afirmou o diretor. Segundo ele, é preciso que quem está à frente do negócio faça três reflexões:

  1. Para onde você está olhando para antecipar a mudança?
  2. Quão diversificada é sua equipe e rede de relacionamento?
  3. Você é corajoso o suficiente para abandonar o que te trouxe até aqui?

Andrade deixou claro que a trajetória de uma empresa sem dúvida é importante, mas que é preciso saber o momento de deixá-la para trás em busca de novas estratégias que se adequem às novas exigências do mercado. Uma delas, por exemplo, é criar um senso de pertencimento de seus funcionários em relação à empresa, permitindo também que eles tenham protagonismo e se sintam vinculados com o propósito do negócio.

Algumas das iniciativas promovidas internamente no Banco do Brasil são a rádio UniBB, biblioteca virtual, treinamento de atendimento digital, gamificação do aprendizado, programa de liderança feminina e foco em na comunidade LGBT e também em portadores de necessidades especiais. A rádio UniBB é um podcast para funcionários, onde os programas tem uma média de 20 minutos e tratam de diversos temas de interesse. Já a biblioteca virtual possui mais de 7 mil títulos disponíveis via desktop e mobile.

Também, Andrade revelou que uma das primeiras etapas do treinamento do atendimento digital é por meio de realidade virtual, onde os funcionários passam por diversas situações que devem saber como agir. Outra ferramenta focada no treinamento de funcionários é a gamificação do aprendizado, jogos com conteúdos sobre a instituição disponíveis para eles por meio de aplicativo. Por fim, o diretor de gestão de pessoas também ressaltou a importância da diversidade, revelando que o banco tem programas de capacitação de liderança feminina, assim como também procuram promover e apoiar iniciativas para LGBTs e portadores de necessidades especiais.