A Unilever comprou o Dollar Shave Club por US$ 1 bilhão (e isso ensina uma lição)

Da Redação

Por Da Redação

22 de julho de 2016 às 13:16 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A Unilever fechou a aquisição do Dollar Shave Club, um dos maiores e principais clubes de assinaturas dos Estados Unidos, por US$ 1 bilhão. Não foi uma compra sem significado para o mundo das startups: uma das maiores empresas de produtos pessoais do mundo fechou a aquisição de uma startup com um modelo de negócios que só recentemente começou a pegar – e ainda a avaliou como um unicórnio (uma empresa que vale mais de US$ 1 bilhão, para os leigos).

Isso cementa ainda mais a história de sucesso do DSC, que foi fundado em 2012 com um investimento de apenas US$ 35 mil. Com a compra da empresa, que tem 5% do mercado de lâminas de barbear nos Estados Unidos, a Unilever pretende levar o produto para novos mercados. Atualmente, o DSC só atende EUA, Canadá e Austrália, mercados que somam 3,2 milhões de assinantes e faturamento de US$ 152 milhões em 2015.

O produto é espetacular. O plano mais barato é bem fiel ao nome da empresa: custa apenas US$ 1 (mais os custos da entrega, claro) para lhe entregar cinco cartuchos de uma lâmina de barbear. Funciona como isca para que o assinante feche planos mais caros, de US$ 6 e US$ 9. Além disso, a empresa vende outros produtos para higiene e beleza masculina, onde a Unilever tem grandes sinergias, como creme de barbear e loção pós-barba.

A DSC já havia captado ao menos US$ 160 milhões e manterá o comando atual da empresa.

Mas o que a Unilever leva com a compra?

Um negócio totalmente novo, com ALTÍSSIMO nível de fidelização de clientes. Um modelo de negócios testado e apreciado por clientes que não teria sido feito facilmente dentro da própria Unilever (na época ele era visto como uma maluquice, não teria passado nem pela primeira leva de executivos).

Empresas grandes investem e compram startups com esse intuito: querem criar novas linhas de produtos, inovar, mudar e isso sai de maneira muito mais barata do que tentar fazer dentro de casa. Essa é a vantagem de colocar diversas cabeças para pensar ao invés de uma – no fim do dia, o efeito é praticamente o mesmo.

Mensagem da Brasil Ventures 

Olá, tudo bom?

Eu sou o Vinicius, Diretor Executivo do Brasil Ventures, uma organização para ajudar empresas como a sua a entenderem o novo ambiente de inovação e se manterem competitivas, através de Corporate Venturing.

Corporate Venturing é a forma de empresas inovarem mais rápido e mais barato por meio de investimento em startups ou transformando seus projetos internos em startups dirigidas por seus colaboradores, chamados de intra-empreendedores.

Eu quero te convidar para batermos um papo sobre este assunto! É só se cadastrar aqui em baixo e eu vou te enviar alguns e-mails  com o melhor conteúdo de Corporate Venturing para te ajudar a inovação mais rápida e disruptiva, fortalecendo seu negócio.

Este é um canal de comunicação direto para te ajudar. Quero saber das suas dificuldades e objetivos. O Brasil Ventures pode te ajudar a criar conexões com empresas inovadoras no Brasil e no mundo, oferece o melhor conteúdo e as melhores práticas de Corporate Venturing.

Faça parte da nossa comunidade e seja protagonista da próxima revolução no mercado.

Aguardo seu contato.

Abraços, Vinicius Scaramel, Diretor Executivo da Brasil Ventures
[php snippet=7]