GM realinha liderança para aumentar sua aposta em ser uma empresa de mobilidade

A GM lançará um novo veículo a cada seis meses até 2020 e adicionará seu sistema autônomo, o Super Cruise, em todos os veículos

0
shares

Na semana passada, a General Motors anunciou internamente que mudaria a supervisão de sua divisão de luxo. A Cadillac agora será supervisionada diretamente por Mark Reuss, atual vice-presidente executivo e head de produtos da empresa. O presidente da GM, Dan Ammann, que estava supervisionando a divisão de luxo até o momento, agora se concentrará na divisão autônoma da montadora, a Cruise.

Recentemente, a divisão agora comandada por Dan Ammann recebeu um investimento de US$ 2,25 bilhões do SoftBank do Japão. Um investimento adicional de US$ 1,1 bilhão agora valoriza a unidade, adquirida pela GM em 2016, em US$ 11,5 bilhões. Ammann vai administrar esse investimento daqui para frente – que envolverá duas fases: um financiamento inicial de US$ 900 milhões, seguido por uma rodada de US$ 1,35 bilhão.

Ammann, que ingressou na GM em 2010, vem supervisionando o avanço da empresa em novas tecnologias, além de lidar com desafios globais de negócio, incluindo as vendas da divisão Opel/Vauxhall da GM para a Peugeot em 2017 e a reestruturação da GM Coreia esse não. Além disso, de acordo com a empresa, Ammann continuará a trabalhar com o CEO da Cruise, Kyle Vogt, para comercializar um serviço de passeio urbano, usando carros elétricos Chevy Bolt totalmente autônomos até 2019.

A Cadillac é de fundamental importância para a GM

A GM tem sido constantemente rentável desde o seu IPO de 2010 e, principalmente sob o comando de Mary Barra, agiu agressivamente para agilizar os negócios e produzir um forte retorno sobre o capital investido. Apesar da marca Cadillac sobreviver ao resgate federal da montadora e a sequente falência em 2009, a divisão tem lutado para sobreviver no mercado desde que as preferências do consumidor mudaram de sedãs premium para crossover SUVs.

Devido a preferências do mercado, a Cadillac lançou dois novos crossovers desde 2015, o XT5 e o XT4, e é líder de vendas com seu Escalade. Porém, como já esperado, a linha de sedãs da marca não segue o mesmo rumo dos crossovers e apresenta um baixo desempenho.

Apesar de tudo, a Cadillac continua sendo de fundamental importância para a GM como uma plataforma para o seu sistema autônomo, o Super Cruise, que permite a operação totalmente autônoma em estradas cuidadosamente mapeadas por GPS. A marca lançou o sistema em seu sedã CT6 em 2017 e, no início desse ano, anunciou que estenderia a tecnologia para toda a linha Cadillac a partir de 2020. De acordo com o Business Insider, a divisão de luxo também apresentará um novo veículo a cada seis meses até 2020, e Reuss supervisionará essa acelerada cadência de produtos.

Sob o comando de Johan de Nysschen, que supervisionou a Cadillac de 2014 até a sua substituição por Steve Carlisle, a Cadillac acabou não conseguindo atacar o mercado de luxo e ficou atrás da Mercedes, BMW e Audi. O realinhamento da administração da GM libera Ammann para se concentrar no futuro da empresa de 109 anos, enquanto Reuss – um veterano da GM que começou na montadora em 1983 –  pode melhorar as vendas e os lucros globais da Cadillac.

Tudo isso é a revolução em curso da mobilidade urbana. Não são necessários tantos carros se podemos dividir os recursos da grande cidade. E tudo isso vai crescer quando tivermos carros 100% autônomos, o que deve ser uma realidade para São Paulo (e principalmente para certas regiões da cidade). Vamos tratar de tudo isso em um evento sobre mobilidade na cidade de São Paulo, exclusivo. Conheça a programação e garanta sua participação.

Comentários