Conheça a startup Lovin, a primeira DNVB de vinhos do Brasil

StartSe

Por StartSe

17 de julho de 2020 às 18:45 - Atualizado há 3 semanas

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

O varejo tradicional muitas vezes falha em conhecer seus clientes e seus hábitos de consumo. Falha também em fazer bom uso de dados e perde oportunidades valiosas de melhorar a experiência do consumidor.

É por isso que modelos DNVB (Digitally Native Vertical Brand, ou marcas verticais digitalmente nativas, em tradução literal) estão escrevendo uma história diferente. Exemplos desse movimento são as brasileiras Amaro, no mercado de moda, e a Zissou, na indústria de colchões.

Agora, uma startup está trazendo esse modelo para o tradicional mercado de vinhos. A Lovin, primeira startup de vinhos do Brasil, chega ao mercado oficialmente nesta sexta-feira com a missão de provocar uma disrupção no modelo tradicional de consumo de vinho.

O termo DNVB foi cunhado em 2016 por Andy Dunn, fundador da Bonobos – uma loja de roupas masculina que vende online, mas possui showrooms para os clientes ajustarem os produtos. Mas nascer digital não é a única característica da empresa ou das DNVBs – elas são focadas mesmo em oferecer experiências boas e memoráveis.

“A Lovin nasce 100% digital e verticalizada, faz todo o processo desde a produção até a entrega para o cliente. E a tecnologia é usada para escalar o negócio. A Lovin quer provocar uma ‘disrupção’ no mercado de vinhos ao propor para os clientes um novo jeito de se relacionar com a bebida”, diz Eduardo Glitz, sócio da Lovin.

A startup trabalha em conjunto com uma fábrica, na serra gaúcha, criando o produto e supervisionando todas as etapas de produção e envase, possuindo controle sobre todas as etapas do processo. A venda acontece online, onde também se dá o relacionamento com clientes e a estratégia de construção de marca. A startup conta com um time de influenciadores digitais para se tornar conhecida do grande público e educar os consumidores.

Segundo Joao Paulo Sattamini, CEO da Lovin, a proposta da Lovin é quebrar as formalidades que ainda existem em torno do ato de beber vinho. A bebida será vendida em lata, tendência que explodiu recentemente nos Estados Unidos.

O Lovin chega em duas versões, branco e rosé e traz o conceito “with bubbles”, leve e ideal para ser consumido bem gelado. Outro diferencial da Lovin é que sendo uma DNVB, toda estratégia foi pensada para ser on-line.

O valor do pack com quatro latas é de R$ 79,60. Apesar de o foco ser a venda on-line, o Lovin estará em alguns restaurantes de Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro.