Netflix perde US$ 2,3 bi por ano com compartilhamento ilegal de contas

João Ortega

Por João Ortega

28 de fevereiro de 2019 às 14:33 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Se você usa o Netflix, é provável que empreste sua conta para alguém – ou então é você quem pega emprestado. O compartilhamento ilegal de contas em serviços de streaming foi alvo de uma pesquisa nos EUA, que constata que mais de US$ 3 bilhões são “perdidos” pela indústria por conta desta prática. No mercado global, o valor tende a aumentar significativamente.

O estudo levou em conta as três principais plataformas de streaming do país: Netflix, Amazon Prime Video e Hulu. O primeiro, por seu preço mais elevado e maior número de usuários, é quem mais perde dinheiro com as conexões piratas: US$ 2,3 bilhões. O serviço da Amazon tem prejuízo de US$ 540 milhões e o Hulu, US$ 480 milhões. Cerca de 20% do público total não paga para assistir séries e vídeos online por esses canais.

Os valores não representam necessariamente quanto as empresas ganhariam caso os empréstimos de conta fossem extintos. Afinal, nem todas as pessoas que usam contas de outros estariam dispostas a pagar pelo conteúdo. Mas a pesquisa do portal Cordcutting levou isto em consideração, e constatou que quase 60% dos usuários não pagantes do Netflix assinariam o serviço se não tivessem outra forma de usá-lo.

Compartilhamento entre pais e filhos representa metade das contas da Netflix emprestadas. Enquanto 37% dos usuários clandestinos usam a conta dos pais, 14% assistem ao conteúdo pelo acesso dos filhos. A outra metade está dividida entre casais, amigos, familiares mais distantes e até o ex.