Como o Hospital Albert Einstein usa a tecnologia a favor da saúde

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

25 de abril de 2019 às 17:55 - Atualizado há 1 ano

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

“A medicina e a tecnologia caminham juntas”, afirmou Juliana Soares, cardiologista e gerente de relacionamento médico do Hospital Israelita Albert Einstein, durante a HealthTech Conference, realizada pela StartSe. Segundo ela, tecnologias como robótica, inteligência artificial e dispositivos wearables estão se tornando cada vez mais comuns na transformação digital do setor.

Pensando nisso, o Albert Einstein já colocou em prática uma série de iniciativas que une medicina à tecnologia. Há três anos, por exemplo, o hospital fez uma parceria com o Google para usar a internet de forma mais eficiente. Ao buscar pelas principais doenças e sintomas, os usuários recebem no topo do resultado um quadro com informações importantes sobre o assunto.

Além disso, segundo Juliana, o uso de dados é essencial para a instituição. “Há dois anos começamos a usar o Prontuário Eletrônico Cerner. Ficamos três anos personalizando ele e hoje temos uma série de ferramentas que nos ajudam a aumentar a eficiência operacional e otimizar recursos. Começamos a conhecer melhor nossos pacientes”, explica.

Um exemplo disso é o score de propensão de internação desenvolvido pelo hospital. “Quando o paciente entra no pronto atendimento e o médico faz prescrições de exame, conseguimos prever a chance dele ser internado. Quando ela existe, o setor responsável já é avisado e um leito é reservado”, explica Juliana. Segundo a cardiologista, a solução reduziu 1 hora e 40 minutos o tempo do paciente no pronto atendimento.

Também com o uso de dados, o hospital criou uma central que monitora as informações dos prontuários eletrônicos. “Em uma tela temos a visualização de todos os pacientes com score de dor e com prescrição de analgésicos. Se essa medicação não foi aplicada ou está com atraso, a área é avisada”, explica Juliana. A solução funciona 24 horas, sete dias da semana.

O hospital também está desenvolvendo, dentro de seu aplicativo, uma ferramenta que ajuda o paciente a tomar melhores decisões. Ele preenche sua queixa e a solução ajuda a direcioná-lo para o pronto socorro, atendimento de telemedicina ou a procurar o médico dele. “Os pacientes esperam serviços de saúde personalizados”, disse Juliana.