Com reconhecimento facial, policiais prendem cinco homens no Carnaval

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

11 de março de 2019 às 13:05 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Cinco homens com mandado de prisão em aberto foram presos neste Carnaval devido à sistemas de reconhecimento facial. A iniciativa foi adotada pela primeira vez nas cidades de Salvador e Rio de Janeiro.

Em Salvador, um homem que estava vestido com roupas femininas para o bloco “As Muquiranas” foi preso na terça-feira (5). Ele estava foragido desde 2017, quando foi acusado de assassinato. O homem usava peruca, maquiagem e um chapéu na cabeça quando foi reconhecido pelas câmeras.

O sistema diagnosticou 94% de similaridade com a imagem no banco de dados da polícia e o homem foi abordado por policiais, que confirmaram sua identidade. Para a festividade, 12 câmeras foram instaladas em 42 barreiras policiais nos acessos aos circuitos Barra-Ondina, Campo Grande e Pelourinho.

No Rio de Janeiro

Já no Rio de Janeiro, quatro homens com mandado de prisão em aberto foram reconhecidos pelo sistema. Diferente do caso de Salvador, onde as próprias câmeras possuíam o software de análise, na capital fluminense 100 policiais analisavam em tempo real imagens de 28 câmeras.

Eles ficaram instalados no Centro Integrado de Comando e Controle e comparavam as imagens com fotos do banco de dados da Polícia Civil e do Detran. Além de pessoas, o sistema também reconhecia placas de veículos.

O reconhecimento facial foi capaz de identificar um adolescente que deveria estar cumprindo medidas socioeducativas. Além disso, um veículo roubado pôde ser recuperado devido à identificação da placa.

Segundo o anúncio, a Polícia Militar do Rio de Janeiro agora estuda implantar a tecnologia em escala, por considerá-la “aprovada no test drive”.