Com descoberta de anticorpos e novas vacinas, o combate ao coronavírus avança

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

18 de março de 2020 às 16:49 - Atualizado há 9 meses

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Cientistas em Israel estão próximos de anunciar o desenvolvimento de uma vacina para o novo coronavírus. De acordo com o jornal israelense Ha’aretz, o Instituto de Pesquisa Biológica do país teve um avanço significativo na compreensão da biologia do vírus para combatê-lo. Os estudos estão sendo realizados na cidade de Ness Ziona, no centro de Israel. 

“O instituto é uma agência de pesquisa e desenvolvimento de renome mundial, que conta com pesquisadores e cientistas experientes, com grande conhecimento e infraestrutura de qualidade. Atualmente, mais de 50 cientistas trabalham para pesquisar e desenvolver uma vacina ou remédio para o vírus”, afirmou um representante do Ministério da Defesa de Israel ao veículo. 

De acordo com o jornal, amostras do vírus foram recolhidas do Japão, Itália e em outros países afetados pela pandemia. Com os avanços, os pesquisadores devem entrar, em breve, em uma fase de testes para entender efeitos colaterais e a eficácia da vacina. O objetivo é acelerar um processo que, normalmente, pode durar até um ano e meio. 

Corrida contra o tempo

Além de Israel, pesquisadores do mundo todo estão agindo rapidamente para desenvolver uma vacina para o coronavírus. No Canadá, um grupo do Sunnybrook Research Institute, da Universidade de Toronto e da Universidade McMaster, conseguiu isolar e cultivar cópias do vírus usando amostras de dois pacientes canadenses. Os materiais criados em laboratório serão usados para o desenvolvimento de testes de diagnósticos, tratamentos e vacinas. 

“Agora que isolamos o vírus SARS-CoV-2 [o agente responsável pelo COVID-19], podemos compartilhar isso com outros pesquisadores e continuar esse trabalho em equipe”, afirmou a pesquisadora Arinjay Banerjee, em um comunicado. “Quanto mais vírus são disponibilizados dessa maneira, mais podemos aprender, colaborar e compartilhar”.

Enquanto isso, de acordo com o jornal South China Morning Post, oito institutos chineses estão trabalhando em cinco vacinas para combater o COVID-19. “Nossas diferentes abordagens [às vacinas] estão avançando constantemente e estamos seguindo as leis e regulamentos nacionais [em nosso desenvolvimento]”, disse Zheng Zhongwei, diretor do Centro de Desenvolvimento Científico e Tecnológico da Comissão Nacional de Saúde da China. Segundo o pesquisador, a expectativa é de que, em abril, algumas vacinas já possam ser usadas em situações de emergência.

Já na Holanda, na Universidade Erasmus e na Universidade de Utrecht, pesquisadores também afirmam ter descoberto um anticorpo capaz de combater o coronavírus e possivelmente outras doenças que poderão ser causadas por ele no futuro. Assim como nos outros países, os cientistas estão estudando maneiras de desenvolver uma vacina ou um medicamento para tratar pessoas infectadas.

O mundo todo está se mobilizando para superar essa crise. Para evitar a propagação do coronavírus, as empresas já adotaram, inclusive, novas formas de trabalho. Pensando em ajudar o ecossistema a enfrentar esse novo momento, a StartSe criou o ReStartSe, maior Programa Online de Capacitação para a Nova Economia já feito no Brasil. Serão 100 horas de aulas abertas e gratuitas com os maiores especialistas em negócios do Brasil, Vale do Silício e China. Saiba mais e se inscreva!