Cientistas sintetizam THC e canabidiol por fermentação

João Ortega

Por João Ortega

28 de fevereiro de 2019 às 12:22 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

O crescente mercado de Cannabis tem duas frentes principais: o uso medicinal e o recreativo. Entre as mais de cem substâncias químicas presentes na planta, duas estão intimamente associadas, respectivamente, a estes usos: o CBD (canabidiol) e o THC (tetrahidrocanabinol). Cientistas da Universidade da Califórnia em Berkeley encontraram um método para obter ambos os canabinoides, separadamente, por meio da fermentação.

Os dois microrganismos que realizam o processo de fermentação são semelhantes aos utilizados na produção de cerveja. Os cientistas selecionam genes específicos da planta e misturam com os fermentos naturais. Após um processo relativamente simples, que envolve aquecer o produto, os resultados são os dois tipos de canabinoides, dependendo da enzima que as leveduras carregam.

Sintetizar CBD e THC em laboratório tem aplicações práticas revolucionárias. Em primeiro lugar, economiza tempo, água e energia em excesso que são gastos no cultivo da planta. Na criação interna, com luzes artificiais, cerca de três meses de cuidado são necessários até a colheita.

O benefício mais relevante da pesquisa, porém, é o fato de se obter as duas substâncias separadas. Jay Keasling, engenheiro químico e coautor da técnica, afirma à Wired que “produzir o CBD sem contaminação de THC é algo bem valioso”. Isto porque os usos medicinais do CBD são extensos, tendo eficiência comprovada no tratamento da epilepsia, por exemplo – mas sua aprovação por órgãos medicinais muitas vezes esbarra na contaminação do THC, que causa efeitos psicoativos indesejados nos pacientes.

Além disso, o processo que alia manipulação genética com fermentação pode facilitar novas pesquisas na área. Como a planta do Cannabis tem mais de cem substâncias diferentes, sempre foi um desafio para cientistas estudar suas características e potenciais individualmente. A expectativa é que novos usos – recreativos, medicinais ou científicos – possam surgir com pesquisas derivadas dessa técnica inovadora.

CannabisTech

Desde que a Califórnia aprovou a cannabis medicinal em 1996, o apoio nacional ao uso medicinal, nos Estados Unidos, cresceu substancialmente. Nos EUA, a Cannabis é legalizada para uso medicinal em 33 estados. Em 10 deles, o uso recreativo já é permitido. Na Califórnia, estado com a maior economia dos EUA, estima-se que em breve o mercado da cannabis será maior que o da cerveja. Se você tem interesse em conhecer este mercado, confira a Missão Vale do Silicio CannabisTech.

Leia mais sobre a industria da cannabis:

A Marlboro não quer só tabaco. Quer cannabis também