Centauro volta a subir oferta pela Netshoes

José Eduardo Costa

Por José Eduardo Costa

13 de junho de 2019 às 20:26 - Atualizado há 1 ano

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A Centauro elevou o valor da oferta pela aquisição da Netshoes para US$ 4,10 por ação, depois que o Magazine Luíza igualou a oferta anterior da varejista de esportes mineira. O anúncio da nova oferta foi feito no final da tarde desta quinta-feira (13). Agora, o valor estimado da Netshoes é de US$ 127,3 milhões.

No final de abril, o Magazine Luíza foi o primeiro a realizar uma oferta pela Netshoes. Na ocasião, a varejista de Franca afirmou que o acordo definia o preço de US$ 2 por ação da Netshoes, o que avaliava o ecommerce de esportes em US$ 62 milhões. No entanto, logo em seguida a Centauro entrou na disputa, colocando um prêmio a cada nova oferta realizada pelo Magazine Luíza.

No fato relevante divulgado nesta tarde, a Centauro também comunicou que o Diário Oficial da União publicou hoje o edital do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que trata a respeito da potencial aquisição da Netshoes pela Centauro, informando que a análise da transação deverá ser realizada no prazo máximo de 30 dias a contar de 12 de junho de 2019.

A oferta do Magazine Luiza já foi aprovada pelo Cade. No caso da Centauro, restam dúvidas se a proposta seguiria o mesmo caminho porque a empresa concorre diretamente com a Netshoes, esbarrando em regras antitruste.

Em um comunicado para investidores realizado também nesta quinta-feira, o conselho de diretores da Netshoes descreve sua preferência pelo Magazine Luiza. O principal motivo é o maior nível de assertividade na aprovação pelo Cade, algo que agora a Centauro quer debelar.

A Netshoes está muito atenta ao prazo da venda devido suas dificuldades financeiras. Em 2018, o e-commerce de artigos esportivos acumulou um prejuízo de R$ 241,5 milhões.