Hackers levam mais de US$ 40 milhões em bitcoins de corretora de criptomoedas

José Eduardo Costa

Por José Eduardo Costa

8 de maio de 2019 às 08:23 - Atualizado há 2 anos

Logo Novo Curso

Transmissão exclusiva: Dia 08 de Março, às 21h

Descubra os elementos secretos que empresas de sucesso estão usando para se libertar do antigo modelo de Gestão Feudal de Negócios.

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

A Binance, uma das maiores corretoras de criptomoedas do mundo, informou que hackers roubaram mais de US$ 40 milhões em bitcoins de sua plataforma, no que chamou de “violação de segurança em grande escala”.

O roubo é mais um exemplo da vulnerabilidade do mercado de criptomoedas e dos locais onde os investidores as negociam. No entanto, o preço do bitcoin e de outras moedas digitais mal se alterou depois que o roubo foi divulgado na manhã de quarta-feira.

Binance informou ter descoberto na terça-feira (7) que 7 mil bitcoins foram roubados de uma única carteira, totalizando cerca de 2% do total de ações da companhia. Os hackers usaram phishing, vírus e outras técnicas, disse a empresa. A corretora disse, por meio de sua assessoria, que os hackers obtiveram informações sobre vários usuários, incluindo dos seus códigos de autenticação.

A Binance foi fundada na China, mas agora opera fora do país, anunciou que está realizando uma revisão de seus protocolos de segurança e que os seus usuários poderão continuar negociando na plataforma.

A empresa disse ainda que os fundos roubados seriam reembolsados.

“Foi lamentável que não tenhamos conseguido bloquear essa retirada antes de ser executada”, disse Changpeng Zhao, chefe executivo da Binance, em post no Twitter.

Os ataques de hackers foram a principal razão para a queda acentuada do bitcoin no ano passado, após a sua recuperação em 2017. Embora o bitcoin, a maior criptomoeda em valor de mercado, tenha crescido mais de 50% neste ano, ela permanece em queda de cerca de 70% em relação a dezembro de 2017.