Bitcoin Banco retira sites de criptomoedas do ar e continua com saques suspensos

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

2 de setembro de 2019 às 18:06 - Atualizado há 1 ano

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

O Grupo Bitcoin Banco (GBB) suspendeu os sites de negociação de criptomoedas NegocieCoins e TemBTC a partir deste domingo (1). A empresa afirmou que as corretoras estão passando por uma reformulação e “normalização dos pagamentos diários”. As plataformas têm retorno programado para domingo (8).

O GBB é alvo de mais de 200 processos porque clientes não conseguem realizar saques do dinheiro investido desde maio deste ano. A holding afirma ter sido vítima de fraude, em que criminosos teriam duplicado o saldo de suas contas e sacado o dinheiro (que não existia).

Além de processos dos clientes, a CVM (Comissão de Valores Imobiliários) abriu uma investigação após denúncia contra a empresa. Os bens de Claudio Oliveira, dono do GBB e conhecido como “Rei do Bitcoin”, foram aprendidos no dia 16 de agosto. A ação judicial foi conduzida por oficiais de justiça de Curitiba, no Paraná, onde a empresa está sediada. Os bens não foram levados após promessa de quitação de débitos.

Na semana passada, no dia 25, a holding passou a oferecer relógios de luxo, motocicletas, entre outros objetos como pagamento aos seus clientes. Os produtos poderiam ser escolhidos na plataforma Get4Bit, que também pertence ao GBB. De acordo com o UOL, alguns clientes relataram não ter recebido o produto “comprado”.

Ainda no comunicado, a NegocieCoins relatou a realização de uma auditoria com a consultoria Ernst & Young para implementação de processos mais seguros. A empresa não afirmou como os “pagamentos diários” serão realizados.