Arthur Caliman discute a cocriação como o futuro da moda na tecnologia

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

26 de novembro de 2018 às 11:26 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

O estilista Arthur Caliman, dono da marca que leva seu próprio nome, tem uma trajetória antiga com a moda: ele pertence a terceira geração de sua família que trabalha no setor. Foi estudando o mercado que o empreendedor descobriu a carência por vestidos de festas e alta costura e abriu sua primeira loja em São Paulo, em 1999.

Quase duas décadas depois, o empreendedor acumula a experiência em negócios da moda e uma graduação em administração. Para ele, independentemente da maturidade do negócio, há sempre espaço para inovar.

“Se você já está em um negócio estabelecido, existem várias possibilidades”, afirmou no Beauty & Fashion Day da StartSe, que aconteceu no último sábado (24).

É claro que a inovação não é uma tarefa fácil – se for, pode ser que algo esteja errado. Caliman já enfrentou várias barreiras nesse sentido. “Eu quis importar o primeiro scanner de corpo da América Latina há 8 anos atrás, mas a alfândega brasileira não me deixava entrar porque não existia uma nomenclatura. Passou um ano e meio e eu desisti”, contou.

Com as dificuldades, o estilista percebeu que aquele não era o momento mais adequado para trazer a ferramenta. Mais tarde, teve a oportunidade de importar um tomador de medidas automatizado – apenas para descobrir que ninguém queria ou via valor nessa inovação.

“É necessário escutar o que as pessoas querem. Elas diziam ‘legal, por que você não tirou a medida com uma fita métrica?’”, explica. Foi assim que o empreendedor percebeu que o negócio não precisa ser refém da tecnologia e que ela é, na verdade, um auxílio.

Caliman acredita que a moda pode se tornar a própria solução em um mundo cada vez mais protagonizado pela tecnologia. “A inovação pode até ser em explorar novas ideias, usar a praticidade com estilo e oferecer um novo leque de serviços”, comentou.

“Escolha um propósito que você acredita que é um diferencial – pode ser sapatos de tamanhos diferentes, eu possuo modelos até no tamanho 47”.

Mas o estilista acredita, especialmente, no potencial de colaboração entre diferentes players. Ele criou a ideia “See now, co-create now”. “Essa é a solução que acreditamos nos permitir caminhar neste futuro de possibilidades incertas dominado pela tecnologia”, comentou.

A ideia consiste em, ao invés de competir, duas marcas diferentes se juntarem para criarem produtos ainda melhores e que atendam as expectativas e necessidades dos clientes.

“Se você tem um banco de dados bom de clientes, vamos nos unir – é impossível que a Amaro faça em horas um vestido de noiva sob medida, ao mesmo tempo que eu não consigo entregar um short em 15 minutos”, exemplificou.

A Amaro, que também estava presente no evento, é uma marca nativa online que fez o caminho inverso – ela criou primeiro sua presença online e agora está invadindo o varejo físico através de seus guideshops.