Apple lançará ‘Netflix de notícias’, mas repasse assusta imprensa

João Ortega

Por João Ortega

13 de fevereiro de 2019 às 16:09 - Atualizado há 2 anos

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

Já é comum que sites de notícias cobrem assinatura para que usuários tenham acesso completo ao conteúdo. Neste cenário, a Apple vai lançar uma plataforma que reúne diversos publishers com apenas uma assinatura única mensal. O ‘Netflix de notícias’ deve ser divulgado em um evento marcado para o dia 25 de março, segundo o BuzzFeed.

O problema é que foi especulado na imprensa que a Apple deseja repassar apenas 50% da receita aos veículos de notícias. Os valores seriam divididos entre os produtores de conteúdo parceiros de acordo com as quantidades de views dos artigos.

Segundo o Wall Street Journal, grandes publishers norte-americanos como The New York Times e Washington Post não aceitaram os termos do repasse. Grande parte da receita destes sites vem de assinantes de conteúdos exclusivos. Além disso, estes grandes jornais teriam interesse nos dados dos assinantes, que ficariam restritos à Apple.

O dilema dos veículos de imprensa é similar ao que tiveram produtores de entretenimento com a chegada dos streamings de filmes e séries. Por um lado, uma plataforma única que reúne diversos conteúdos tende a aumentar a base de assinantes. Por outro, o controle sobre o valor da assinatura e a distribuição de notícias fica sob responsabilidade de terceiros – além de diminuir o tráfego nos portais de notícias.

A assinatura do serviço agregador de notícias da Apple deve custar US$ 10. Também é especulado que a empresa de Tim Cook possa lançar outro serviço por assinatura no mesmo evento: o seu próprio serviço de streaming de filmes e séries.