Apple adquire outra plataforma de música – após compra de Shazam

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

7 de dezembro de 2018 às 17:11 - Atualizado há 2 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

Após o lançamento do Apple Music, está cada vez mais voltada para o setor de conteúdo de entretenimento. A empresa da maça adquiriu a Platoon, startup britânica que permite que artistas produzam e distribuam músicas.

A informação veio a público nesta sexta-feira, segundo o TechCrunch e MBW.

A compra da Platoon não é o primeiro negócio que a Apple fez no ramo. Em outubro, a Apple teria contratado a equipe de negócios de música norte-americana Asaii, que analisa dados de streaming de música para encontrar jovens músicos que são populares. O site da empresa informou que seu objetivo era “encontrar o próximo Justin Bieber, antes de qualquer outra pessoa”.

A plataforma Platoon permite que músicos produzam conteúdo, distribuam e vendam, utilizando ferramentas digitais para verificar quais os conteúdos possuem melhor performance. A startup foi criada há dois anos, em 2016, pelos empreendedores Denzyl Feigelson, Ben Grabiner e Saul Klein. O próprio Feigelson havia sido executivo na Apple, no setor do iTunes, antes de criar a startup.

Há dois meses, a Apple adquiriu uma gigante do mesmo setor: o Shazam. A aquisição do aplicativo de entregar músicas foi no valor de US$ 400 milhões. Como a Platoon, o Shazam também possuía uma longa trajetória e proximidade com a Apple.

As aquisições de startups do mundo da música começaram há algum tempo. Em 2014, a empresa da maça adquiriu a Beats, marca reconhecida por seus fones de ouvido e caixas de som, por US$ 3 bilhões.

Apesar de mais de um veículo noticiar a aquisição, como o Techcrunch e o Music Business Worldwide, a Apple ainda não fez nenhum comentário sobre a aquisição. O valor da compra também não foi informado.