Scott Galloway, da New York University, afirma que a Amazon será uma gigante em saúde

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

4 de dezembro de 2018 às 17:44 - Atualizado há 2 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Quando paramos para pensar em todos os setores que a Amazon atua hoje, dificilmente pensamos no farmacêutico. No entanto, para Scott Galloway, professor de marketing da New York University, a varejista será “a empresa de saúde com o crescimento mais acelerado do mundo”, segundo o Business Insider.

Galloway é reconhecido por ter escrito um livro sobre as gigantes de tecnologia. Chamado de “The Four”, o professor discute o modelo de negócios da Amazon, Google, Apple e Facebook. Para ele, algumas dessas principais empresas vão desaparecer com o tempo.

Enquanto Jeff Bezos previu que a Amazon irá falir eventualmente, Galloway vê a Amazon como uma das empresas mais promissoras a longo prazo. Um exemplo disso é que, das quatro gigantes, o professor acredita que a varejista é a que possui mais chances de se dar bem no setor da saúde.

O mais interessante é que o professor já acertou algumas previsões sobre a Amazon. Um exemplo é de que a varejista compraria o Whole Foods e quais cidades escolheria para sua sede.

A Amazon se destaca frente aos outros três concorrentes por já possuir dados sobre a saúde de seus clientes através das compras, pesquisas no e-commerce, entre outros. Por esse motivo, Galloway acredita que a varejista tenha uma maior facilidade em identificar quais são os melhores negócios do setor.

Para o professor, se a Amazon apostar no segmento, ela não saberá apenas os hábitos de compras e costumes dos usuários Prime, mas também o quanto suas famílias estão saudáveis.

Iniciativas recentes nos mostram que, de fato, esse é um setor de interesse para a varejista. Ela adquiriu a startup Pill Pack neste ano e está desenvolvendo uma parceria com o JPMorgan e Berkshire Hathaway para diminuir os custos de saúde com seus funcionários.

Há quem acredite que a Amazon pode entrar nesse setor inclusive no Brasil. Javier Martinez, analista do Morgan Stanley, afirmou que a empresa de Jeff Bezos pode estar próxima de entrar com serviços farmacêuticos no Brasil, representando um grande concorrente para a maior rede de farmácias do país, a Raia Drogasil.