Amazon pode desistir de nova sede em New York

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

8 de fevereiro de 2019 às 18:00 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Em novembro do ano passado, a Amazon revelou que dividiria sua nova sede nos Estados Unidos em duas unidades: Nova York e Virgínia. No entanto, a recepção na cidade de Nova York está fazendo a gigante do varejo pensar duas vezes sobre o local.

Segundo o The Washington Post, fontes informaram que a incerteza surgiu após a oposição de alguns políticos da cidade. Enquanto isso, em Virgínia, a recepção é outra: os políticos estão criando incentivos para a Amazon.

A companhia ainda não teria comprado nenhum terreno na cidade, o que tornaria mais fácil a decisão de escolher outro local. Além disso, a aprovação final do estado de Nova York não deverá sair até 2020.

Ainda segundo o jornal, executivos da Amazon discutiram o assunto recentemente, explorando alternativas. A fonte da informação, o The Washington Post, foi adquirido por Jeff Bezos, fundador e presidente-executivo da Amazon, em 2013.

A varejista espera investir US$ 2,5 bilhões e criar cerca de 25 mil empregos em cada sede. Mas, para tanto, espera receber incentivos fiscais para tornar a escolha do local mais vantajosa.

Opiniões controversas

Assim que a notícia das novas sedes foi divulgada, Bezos foi duramente criticado nas redes sociais por analistas da indústria e do setor de tecnologia. A mesma postura se reflete em alguns senadores de Nova York.

Mas, enquanto a opinião de políticos em Nova York está dividida, o governador do estado já deixou sua opinião clara em muitas entrevistas. Antes do anúncio de que Nova York seria um dos locais escolhidos, ele afirmou que mudaria seu nome de Andrew Cuomo para Amazon Cuomo se ajudasse na decisão da empresa. Na época, a Amazon estava avaliando entre 238 cidades – confira como as cidades que não foram escolhidas estão se preparando para o futuro.