Amazon irá ampliar atuação no Brasil, segundo analistas do BTG Pactual

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

21 de janeiro de 2019 às 18:30 - Atualizado há 2 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 22 a 25/Fev - 2021, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Um relatório movimentou as ações das principais varejistas online do Brasil nesta segunda-feira (21). Analistas do banco BTG Pactual informaram que a Amazon passará a ter uma atuação mais concreta no Brasil. Dessa forma, a companhia de Jeff Bezos irá aumentar sua concorrência com varejistas do país, como Magazine Luiza e B2W.

“Conforme nossos canais de checagem, após um atraso de mais ou menos três meses, ela lançará sua plataforma de venda direta (1P) no Brasil para um amplo portfólio de itens hoje ou nesta semana”, relataram Fabio Monteiro e Luiz Guanais.

O atraso teria acontecido pela complexidade do sistema de logística e tributário brasileiro. A intenção é que a varejista lance a Fulfillment by Amazon no país. Com a iniciativa, a Amazon passará a gerenciar todo o sistema de entrega de produtos.

Até então, a atuação da empresa no país é baseada nos modelos de e-commerce e marketplace. No segundo caso, a entrega é realizada pelas lojas parceiras, o que faz com que a Amazon tenha menos controle da qualidade nos processos de entrega. O Fulfillment by Amazon poderá contornar esse problema.

A expectativa dos analistas é que a companhia realize “uma abordagem gradual” no Brasil. Eles também afirmaram que, apesar da liderança da varejista em diversos países no mundo, a concorrência deverá ser acirrada no país devido ao mercado já pré-estabelecido.

“Desde 2016, no entanto, nós sinalizamos que o comércio eletrônico brasileiro estava propenso a um crescimento secular, com um mercado posicionado para pelo menos triplicar até 2025, atingindo 200 bilhões de reais em Gross Merchandise Vale (GMV)”, escreveram Monteiro e Guanais.

A Amazon no Brasil

Em outubro do ano passado, o mesmo BTG Pactual afirmou que a varejista poderia entrar no setor de farmácias no Brasil. Ela realizou uma iniciativa semelhante nos Estados Unidos em junho de 2018, quando adquiriu a empresa PillPack.

Mas as expectativas de uma maior atuação da Amazon no Brasil não param por aí. Ainda segundo o BTG Pactual, a varejista também está considerando abrir uma “loja de tudo” – tal como é nos Estados Unidos – em terras tupiniquins.