Amazon começa a ensinar português à Alexa

João Ortega

Por João Ortega

12 de março de 2019 às 15:32 - Atualizado há 2 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

A Alexa, assistente virtual da Amazon, está se matriculando nas aulas de português.

A Amazon está enviando convites, desde esta segunda-feira, para clientes no Brasil testarem o Amazon Echo, dispositivo que conta com o software inteligente da varejista. A ideia é que os usuários conversem com a caixa de som para que ela possa incorporar, através de tecnologias de machine learning, a forma de se comunicar do brasileiro.

A Amazon Alexa é compatível com milhares de dispositivos – que vão desde celulares e televisores até lâmpadas e irrigadores. A assistente virtual integra o funcionamento da casa, carro e dispositivos móveis do usuário, tornando todos seu gadgets inteligentes, com o intuito de facilitar tarefas cotidianas e aumentar sua produtividade. Entretanto, hoje, ela só sabe compreender inglês (em seus diversos sotaques), alemão, espanhol, italiano e japonês.

O convite feito a usuários brasileiros afirma que, inicialmente, a Alexa terá recursos limitados. Ao longo dos testes, mais funcionalidades serão adicionadas. “Quanto mais você interagir com ela, mais ela se adapta aos seus padrões de fala, vocabulário e preferências pessoais”, explica o chamado.

Segundo reportagem do jornal Estadão, a previsão é que a Alexa chegue ao Brasil até o fim do ano, embora nenhuma data oficial tenha sido anunciada pela Amazon. A chegada da inteligência artificial integra uma série de avanços da empresa de Jeff Bezos no mercado brasileiro. Um centro de distribuição foi construído na Grande São Paulo com 47 mil metros quadrados e 120 mil produtos, e a companhia tem 160 vagas de emprego abertas na cidade.