“Está na hora de romper com o Facebook”, diz o cofundador Chris Hughes

Cofundador do Facebook comparou a rede social a um monopólio e afirmou que compra de WhatsApp e Instagram deve ser revertida

0
shares

Chris Hughes é um dos cofundadores do Facebook, tendo trabalhado com Mark Zuckerberg em Harvard nos primórdios da rede social. Ele deixou a companhia em 2007 para atuar na campanha presidencial de Barack Obama. Agora, ele volta a falar sobre a rede social para dizer algo no mínimo polêmico: “Está na hora de romper com o Facebook”.

Em um artigo de opinião para o The New York Times, o cofundador do Facebook questionou a dominância da rede social na internet, o comparando com um monopólio. Ele cita como Zuckerberg usou a palavra “dominação” como uma de suas ambições no início da companhia e compara ao seu status agora.

“Mais de uma década depois, o Facebook ganhou o prêmio de ‘dominação’. Ele vale metade de um trilhão de dólares e comanda, pelas minhas estimativas, mais de 80% da receita mundial das redes sociais. É um monopólio poderoso, eclipsando todos os rivais e apagando a competição da categoria de redes sociais”, escreveu Hughes no artigo.

Ele se considera responsável por “não ter soado o alarme antes”. O cofundador também cita que o maior erro da Federal Trade Commission (Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos, o equivalente ao nosso CADE) foi aprovar as aquisições do Instagram e WhatsApp.

Os fundadores das duas companhias, Instagram e WhatsApp, deixaram as redes por discordarem das diretrizes de Zuckerberg e já se manifestaram publicamente sobre. Para Hughes, ainda dá tempo do F.T.C mudar de ideia e dividir o poder do Facebook.

“O F.T.C, em conjunção com o Departamento de Justiça, deve reforçar leis antitruste ao desfazer as aquisições do Instagram e WhatsApp e banir futuras compras nos próximos anos”, afirma Chris Hughes. Ele reforça que sua opinião não é a única citando como exemplo a senadora dos EUA Elizabeth Warren, que já pediu que as mesmas aquisições sejam revertidas.

Mas ser dono de três das maiores redes sociais do mundo não é o suficiente para o Facebook – ele quer integrá-las. A intenção é que os usuários possam se comunicar entre os aplicativos – o que pode representar mais desafios de privacidade do que a rede social já possui hoje. A empresa continua enfrentando as consequências de vazamento de dados - no maior deles, de 87 milhões de pessoas, no caso da Cambridge Analytica, que teve fins políticos.

A influência global de Mark Zuckerberg

O ex-companheiro de trabalho de Zuckerberg o descreve como uma influência estarrecedora, “muito além do que qualquer outra pessoa no setor privado ou governamental”, por controlar três plataformas de comunicação que bilhões de pessoas usam diariamente.

“Mark, sozinho, pode decidir como configurar os algoritmos do Facebook para determinar o que as pessoas veem em seus feeds de notícias, quais configurações de privacidade podem usar e até quais mensagens serão entregues”, descreve Chris Hughes. Ele aponta inclusive o poder de Zuckerberg no conselho da companhia, pois ele afirma deter 60% do poder de voto.

“Ele determina as regras de distinção de discurso violento e incendiário do simplesmente ofensivo e pode escolher acabar com um competidor ao adquiri-lo, bloqueá-lo ou copiá-lo”, descreve o cofundador da empresa. Como exemplo de cópia, ele cita os stories do Snapchat – atualmente, as três redes sociais de Zuckeberg possuem essa ferramenta.

“Eu estou desapontado comigo mesmo e com o time inicial do Facebook por não pensar mais sobre como o algoritmo do Feed de Notícias podem mudar nossa cultura, influenciar eleições e empoderar líderes nacionalistas. E eu estou preocupado que Mark tenha se cercado de pessoas que reforçam suas crenças ao invés de desafiá-las”, desabafou.

Junte-se a mais de 400.000 Empresários e Profissionais Para Conhecer os Negócios Mais Disruptivos do Mundo!

switch-check
switch-x
Nova Economia
switch-check
switch-x
Empreendedores
switch-check
switch-x
Investimentos
switch-check
switch-x
Startups
switch-check
switch-x
Ecossistema

Comentários