Amazon está prestes a lançar uma loja online completa no Brasil

Enquanto o Walmart se retira do Brasil, a Amazon decide ampliar sua oferta de serviços por meio de uma loja online que venderá de tudo

0
shares

A Amazon já vende livros e alguns serviços digitais no Brasil desde 2014, mas agora a empresa comandada por Jeff Bezos vai abrir uma nova frente de negócios no Brasil, por meio de uma loja online completa. Segundo analistas do banco BTG Pactual, que tiveram acesso às negociações para a expansão da Amazon no Brasil, a nova loja oferecerá uma série de novos itens, como produtos eletrônicos, brinquedos, itens de saúde e higiene pessoal e roupas, a partir de outubro.

De acordo com o BTG, esses investimentos podem significar a chegada do Prime, que é o programa de fidelidade da gigante com mais de 100 milhões de assinantes. Além disso, a Amazon também estaria recrutando novos talentos em São Paulo. As vagas anunciadas, cerca de 23 novos cargos, incluindo Gerente de Estoque e Gerente de relacionamento com fornecedores, indicam o aumento de investimento em pessoal no estoque.

Apesar das novidades estarem chegando rapidamente, o plano de Bezos é se espalhar aos poucos no Brasil - um país onde a realidade é completamente diferente do seu mercado principal, nos Estados Unidos. "Eles se sentem desconfortáveis ​​por não conseguirem proporcionar uma experiência de usuário de alto nível (no Brasil)", disse Fabio Monteiro, analista do BTG Pactual, à Business Insider. "O Brasil é um dos países mais complexos para operar. Se você é um varejista estrangeiro, é realmente complexo". 

Há muitas razões para esse “medo” de Jeff Bezzo, disse Monteiro. Entre os motivos apontados pelo especialista está a complexa estrutura tributária brasileira, que varia de estado para estado, e um sistema de logística baseado em estradas devido a falta de ferrovias e hidrovias navegáveis. Além da recessão econômica e da crise política, os sistemas de pagamento também são diferentes por aqui. Muitos clientes brasileiros esperam que os varejistas ofereçam planos de pagamento, especialmente para itens caros, o que envolve um certo risco de crédito que normalmente não estaria envolvido em uma venda direta.

Agora, resta saber se a Amazon aumentará seu investimento para se tornar um player dominante no Brasil, assim como fez no Reino Unido e na Alemanha. Se a Amazon tiver alguma vantagem sobre os operadores do país, isso será na tecnologia que eles estão trazendo, disse Monteiro. Mas isso pode não ser suficiente para superar os desafios estruturais.

"O problema são alguns dos processos que a Amazon, que não são adaptados quando entram em um novo país", acrescentou Monteiro. "No Brasil, eles estão sendo forçados a adaptar esse sistema. Isso é realmente um grande pesadelo para qualquer empresa de tecnologia."

Walmart: contra a corrente

Ao contrário da Amazon, o Walmart decidiu, em junho deste ano, se retirar do Brasil e vender seus ativos no país para um player local. O acordo, segundo a Reuters, foi avaliado em “quase nada” e inclusive revelou que a empresa devia US$ 3 bilhões em impostos atrasados a vários governos estaduais no Brasil.

Assine nossa newsletter

switch-check
switch-x
Nova Economia
switch-check
switch-x
Empreendedores
switch-check
switch-x
Investimentos
switch-check
switch-x
Startups
switch-check
switch-x
Ecossistema

Comentários

Mais em Nova Economia