5 negócios que a atual geração de adolescentes está matando aos poucos

Como os hábitos de consumo são diferentes, tem várias coisas que eles estão matando aos poucos - e que são negócios na urgência de se reinventar antes de serem mortos definitivamente pelos nativos da Nova Economia

0
shares

Os gostos mudam de geração para geração, isso é completamente inegável. Enquanto os pais tem hábitos de consumo em uma direção, é comum ver os filhos desenvolverem outros completamente diferentes. É o que acontece com a atual geração de adolescentes e jovens adultos - a Geração Z -, nascidos depois de 1995.

Muitos deles (principalmente os mais novos) não gostam nem do Facebook, que eles veem como uma rede social para falar com os pais. Preferem Instagram, Snapchat e outras redes sociais "mais descoladas". São fortemente consumidores de tecnologia (praticamente nasceram no ambiente digital) e não conhecem o fantástico barulho de um computador conectando à internet através de uma conexão dial-up.

Como os hábitos de consumo são diferentes, tem várias coisas que eles estão matando aos poucos - e que são negócios na urgência de se reinventar antes de serem mortos definitivamente pelos nativos da Nova Economia. Confira:

Lojas de Departamento

Em uma era do crescimento de e-commerce, as lojas de departamento estão sofrendo os maiores golpes. O consumo de adolescentes e jovens adultos de classe média tende a orbitar em lojas com maior identificação com este público (como Forever 21) e mais jovens, que misturam o offline com o online (Amaro e Amazon). Nesse determinado público, as lojas veem uma expansão muito maior de suas operações online do que as vendas em lojas físicas.

Marcas de consumo "refinado"

Marcas como Ralph Lauren estão em queda nos Estados Unidos, com uma tendência da geração Z de se vestir de maneira diferente do que seus antecessores no planeta Terra. Já roupas de esporte, como Adidas, Nike e Vans estão em alta entre adolescentes. Muitas vezes marcas clássicas não passam de 5% de market share entre as gerações mais novas.

TV por assinatura

Você já viu o que os adolescentes consomem de conteúdo? É praticamente só YouTuber e influencer de Instagram. Além disso, eles possuem uma relação quase que pessoal com esse pessoal (pergunte para qualquer adolescente sobre seus youtubers favoritos e eles te darão mais detalhes que as antigas revistas de fofoca). Além disso, o crescimento de serviços de streaming tornaram o conteúdo bom em barato. Gasta-se mais tempo no Netflix atualmente do que na TV à cabo.

Produtos de Luxo

Marcas de luxo também estão ameaçadas. A Geração Z tem uma tendência muito menor a consumir produtos caros e duradouros, preferindo roupas e acessórios com maior "consciência social". Além disso, em uma era de excessiva exposição em redes sociais, muitos jovens preferem roupas e acessórios que podem ser usados apenas algumas poucas vezes antes de serem trocados.

Papel

As novas mídias são todas digitais: o online suplantou o jornal como meio para entregar notícias rapidamente. Aliás, uma faculdade de jornalismo é possível encontrar gente que não sabe nem abrir um jornal. As revistas também veem sua circulação cada vez menor. Os leitores de ebooks são cada vez mais populares (o Kindle especificamente), com a venda de livros digitais crescendo mais de 5 vezes nos últimos 8 anos. Até mesmo o governo está pedindo menos papel do que ele pedia antes.

Um convite

Essa é mais uma forma como a tecnologia pode impactar os negócios de maneira significativa, melhorando processos de vendas. Acreditamos que tecnologias como a Inteligência Artificial estarão disponíveis para redes de restaurante e lojistas em breve. Promovemos a Varejo Tech Conference para tratar do assunto com toda a rede de varejo. Para se inscrever no evento exclusivo, clique aqui.

Atualize-se em apenas 5 minutos


Receba diariamente nossas análises e sinta-se preparado para tomar as melhores decisões no seu dia a dia gratuitamente.

Tags

varejo

Comentários