Walmart está querendo deixar de ser empresa tradicional para atacar Amazon

Avatar

Por Lucas Bicudo

6 de outubro de 2016 às 14:00 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

De olho na rival Amazon, o Walmart está se condicionando cada vez mais para se tornar uma empresa de e-commerce ao longo dos próximos anos. A ideia é diminuir as apostas nas lojas físicas e partir diretamente para o digital, segundo informações da própria companhia nesta quinta.

“Em algum tempo, essa companhia parecerá cada vez mais com uma companhia de e-commerce do que uma de lojas físicas, como vínhamos operando até então”, discursa o CEO Doug McMillon, em um evento da empresa para investidores, que acontece anualmente em Bentoville, Arkansas.

Para ser mais digital, a empresa esta diminuindo o ritmo de abertura de novas lojas: o Walmart irá abrir 130 lojas em todo os Estados Unidos esse ano, abaixo da média de 155 projetadas originalmente para o período e mais baixo ainda ainda das 230 abertas no ano passado. No ano seguinte, serão apenas 55 lojas.

Receba a newsletter do StartSe!

Enquanto isso, a empresa já dobrou seus armazéns de atendimento online para 10, de acordo com a Reuters, e era esperado que até o fim de 2018 a companhia tivesse apenas 8. Com isso, o Walmart já é capaz de entregar encomendas para 70% dos Estados Unidos em apenas um dia.

Os investimentos da companhia estão de olho nos números registrados pela concorrente Amazon, que fez US$ 107 bilhões em vendas online no último ano, enquanto o Walmart contabilizou apenas US$ 13,7 bilhões no mesmo período. A empresa recentemente adquiriu o varejista online Jet.com. Espera-se que com a aquisição seja acelerado o crescimento no comércio eletrônico.

“Estamos confiantes com o nosso progresso e estamos nos movendo com velocidade para liderar o futuro do varejo. Nossos consumidores querem que gerimos grandes lojas, provemos uma bela experiência de compra online e encontremos maneiras de fazê-los economizarem dinheiro e tempo ao mesmo tempo. Então é isso que estamos procurando fazer”, finaliza McMillon.

(via Business Insider)

[php snippet=5]
E não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook!