Cientistas chineses estão desenvolvendo tecnologia para cura do câncer

Da Redação

Por Da Redação

16 de novembro de 2016 às 11:10 - Atualizado há 4 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 16 a 19/Nov, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

O câncer é uma das mais cruéis doenças humanas. Embora existam centenas de tipos dele, há um denominador comum que pode (e está sendo atacado) pela pesquisa de biomedicina: a mutação das células. Um grupo de pesquisadores chineses acaba de fazer um grande avanço em uma técnica que pode levar até a cura definitiva do câncer.

Pela primeira vez na história, eles introduziram células geneticamente editadas usando a tecnologia CRISPR-Cas9, sendo desenvolvida tanto por lá quanto nos Estados Unidos. Embora esta não seja a primeira vez que humanos editam genes, essa talvez seja a mais eficiente: a técnica usa uma enzima para “limpar” código genético não-desejado.

Os cientistas chineses usaram esse tratamento experimental em um paciente com um tipo agressivo de câncer de pulmão e esperam que isso funcione em outros pacientes de câncer que não estão respondendo à quimioterapia convencional, radiação e outros tratamentos.

Em teoria, a CRISPR-Cas9 pode acabar com todos os genes de uma pessoa que podem virar câncer de uma pessoa antes de virar. Também podem acabar com os genes que causam a doença depois que ela se desenvolvem. Contudo, por enquanto, tudo isso é teoria: é a primeira vez que ela é testada.

Nos Estados Unidos, um estudo na Universidade de Pensilvânia estuda e  desenvolve essa tecnologia para uso em humanos e conta com apoio do instituto de câncer de Sean Parker – fundador do Napster e ex-presidente do conselho do Facebook -, que doou US$ 250 milhões para tal. O teste já foi proposto por lá, mas está esperando aprovação da FDA (Food and Drug Administration).

Os primeiros testes não garantem a efetividade da tecnologia: pode ser que ela leve à cura do câncer – mas isto é apenas uma expectativa e esperança no momento. Ela também tem outros usos para acabar com genes que causam cegueira e anemia, por exemplo.

Contudo, como toda nova forma de tratamento, a tecnologia do CRISPR-Cas9 ainda tem ocasionado alguns problemas: há casos de testes em animais que foi criado um câncer ao invés de curá-lo. Precisa-se estudar muito para chegar no ponto ideal do tratamento.

Ainda há um longo caminho até podermos contar com essa tecnologia, mas, aparentemente estamos no caminho certo. O futuro vai ser brilhante, eu espero: conversamos muito sobre tecnologias inovadoras no Conexão Vale do Silício, o programa quinzenal do StartSe para falar de tecnologias inovadoras.

Nota pessoal: eu sei que muitas pessoas vão acabar lendo este texto esperando encontrar a solução mágica para a própria dor ou de familiares. Eu mesmo passei por isso alguns anos atrás, com a morte de minha mãe. Infelizmente, ainda estamos anos distantes de uma solução que nem essa estar disponível para as pessoas.

Sem ilusões, contudo, gostaria de ressaltar que essa realmente é uma tecnologia que pode mudar o futuro, dentro de um campo extremamente promissor. Torço sinceramente que você supere seus desafios, próprios ou familiares.

Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo!

[php snippet=5]