StartSe no Mundo: startup inova com bebidas à base de chia

No início, o foco estava em atletas de alta performance, mas devido aos benefícios da semente para todos, hoje está presente nos principais supermercados da Nova Zelândia

Avatar

Por Eduardo Glitz

29 de março de 2016 às 10:20 - Atualizado há 4 anos

Alguns alimentos são mundialmente classificados como “superfood”, devido à alta dose de nutrientes que contêm. A semente de chia é um deles. E foi por isso que o StartSe no Mundo conversou com a Chloe, fundadora de uma startup com o mesmo nome da semente, a Chia, que inovou ao criar produtos baseados nesse milagroso alimento.

A empresa, que fica na Nova Zelândia, teve como protótipo uma bebida feita à base de chia e groselha, testada em uma expedição da fundadora ao Himalaya. Foi lá que Chloe entendeu do que a semente era capaz e decidiu industrializar o produto. Segundo ela, além de oferecer uma alta dose de energia, a chia tem os principais nutrientes que uma pessoa precisa em sua dieta diária, “uma simples semente que se torna um alimento muito completo”.

A startup iniciou as atividades em dezembro de 2012. No início, mantinha o foco em atletas de alta performance, mas devido aos benefícios da semente para todos, hoje está presente nos principais supermercados da Nova Zelândia e já é exportada para Austrália, Cingapura e Malásia.

Ao consumir o produto, o que impressiona é a alta dose da semente: 88% do conteúdo da garrafa contém semente hidratada. O restante é o suco, que dá o sabor, nas versões de groselha com maçã, blueberry com maçã e laranja com pêssego e maçã – experimentei todos e adquiri o hábito de consumir diariamente.

Segundo Chloe, os kiwis (como são chamados os moradores da Nova Zelândia) possuem hábitos altamente saudáveis e são preocupados com o meio ambiente, além de possuírem uma cultura de prática de esportes e vida em contato com a natureza. Para ela, “se você quer ter uma vida ativa, precisa pensar sobre o que você come e tomar decisões saudáveis”.

Chloe, fundadora da startup Chia

Chloe, fundadora da startup Chia

A Nova Zelândia, apesar de ser um país pequeno, tem muitos incentivos para os produtores locais, o que, somado aos hábitos saudáveis da população e a um mercado pouco competitivo, cria um ambiente favorável para empresas inovadoras do setor de alimentos saudáveis.

A fundadora da Chia acredita que o Brasil também é um país muito favorável para seu produto. Na visão dela, todos deveriam consumir a semente, pois é rica em ômega 3, magnésio, cálcio, ferro, proteínas, antioxidantes e fibras, sendo uma forma muito fácil de iniciar o dia bem alimentado.

Eu também não tenho dúvidas de que o mercado de produtos saudáveis crescerá muito no Brasil. E esta é mais uma oportunidade para os empreendedores inovarem e darem um passo a frente.

Este conteúdo faz parte do projeto StartSe no Mundo, uma viagem empreendedora por mais de 40 países. Conheça o site do projeto clicando aqui e inscreva-se para receber conteúdos exclusivos ao longo da jornada, que podem inspirá-lo e adjudá-lo a empreender.