StartSe no Mundo: conheça um coworking que fica a 100 metros da praia

Avatar

Por Eduardo Glitz

12 de Maio de 2016 às 19:15 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Eu estava ansioso para conhecer este coworking. Havia lido no site que ficava a 100 metros da praia de Changgu, em Bali e pelas fotos tinha até piscina dentro. A questão da piscina não precisei de mais de um dia em Bali para entender: por aqui o calor é quase insuportável durante o dia, o que deixa as praias inclusive vazias até o fim da tarde pois ninguém aguenta o calor. Assim, ar condicionado e piscina são as opções para se refrescar.

Quando cheguei em frente ao local tive a impressão de que era mais um café com wi-fi do que um coworking de verdade. Changgu lembra algumas praias de Santa Catarina como Ferrugem ou Guarda do Embaú, mas em proporções bem menores. É praticamente uma rua, com algumas transversais, e que leva até a praia. Nesta rua tem pousadas, restaurantes, lojas de surf e comércio local. Mas eu estava enganado, o Dojo Bali é um coworking de verdade, e que conta com mais de 140 membros.

O que separa o coworking da calçada é apenas uma pequena escada de dois degraus, lotada de chinelos. Obviamente a mensagem foi recebida e também retirei os meus. Não existem portas nem janelas e fica aberto 24 horas, 7 dias por semana. Confesso que eu ainda estava indeciso antes de sair de casa se deveria ir de chinelo ou não. Sorte que decidir ir de chinelo, afinal estamos na praia e esta é a primeira coisa que diferencia de verdade este local. O ambiente é todo aberto, com exceção das salas de reuniões, a luz baixa predomina e como tudo em Bali, conta com um aroma de incenso no ar.

Eu cheguei no local no final da tarde, ao redor das 18 horas, ou seja, o melhor horário para surfar, então o ambiente não tinha mais de 20 pessoas. A maioria das estações de trabalho são em bancadas com vista para o jardim e para a piscina, e alguns empreendedores naquele momento aproveitavam para falar ao telefone na beira da piscina. São dois andares, no andar de cima tem mais salas de reuniões e é onde ficam as startups com mais integrantes, dado que a maioria dos profissionais trabalham sozinhos. As atividades de cada um são diversas, conversei por exemplo com um argentino que tem uma empresa de webdesign e trabalha pela internet. O mesmo acontece com a menina que tem uma loja de roupas virtual ou aqueles que são programadores.

O fundador do espaço chama-se Michael Craig, e para ele o Dojo é muito mais do que um coworking, mas sim uma comunidade de empreendedores que pensam de forma parecida, buscando mais qualidade de vida e seu melhor balanceamento. Os integrantes são originados dos quatro cantos do mundo, o que torna o local altamente cosmopolita e inspirador para a troca de experiências. Sem dúvidas trabalhar na beira da praia e ainda interagir com pessoas de todo o mundo tem os seus benefícios, e este local soube aproveitar muito bem isto. Valeu muito a pena conhecer!

Este conteúdo faz parte do projeto StartSe no Mundo, uma viagem empreendedora por mais de 40 países. Conheça o site do projeto clicando aqui e inscreva-se para receber conteúdos exclusivos ao longo da jornada, que podem inspirá-lo e adjudá-lo a empreender. E não deixe de se inscrever no nosso hangout!

Dojo 2 Dojo 3 Dojo 4 Dojo 5 Dojo 6 Dojo 7