StartSe no Mundo: Conheça as histórias dos brasileiros que estão trabalhando e empreendendo na Austrália

Avatar

Por Eduardo Glitz

25 de abril de 2016 às 10:30 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Com 5,5 milhões de imigrantes, ou seja, aproximadamente 25% da sua população, a Austrália está entre os países com a maior quantidade de pessoas que buscam na terra dos cangurus uma vida melhor. Isso não é por acaso, mesmo com todas as restrições migratórias características de um país de primeiro mundo, os imigrantes são muito bem-vindos na Austrália e na sua grande maioria conseguem prosperar.

A liberdade econômica e o próspero ambiente de negócios geram grandes oportunidades de empreendedorismo e também alta necessidade de mão de obra qualificada, o que se torna um prato cheio para aqueles pretendem buscar uma vida diferente fora do Brasil. O StartSe no Mundo teve a oportunidade de conversar com três brasileiros que estão atuando no mercado de startups na Austrália, cada um em diferentes estágios e formatos diferentes de migração.

As startups são um ambiente fértil para receber imigrantes, pois muitas delas buscam mesclar culturas para agregar ainda mais na construção de produtos com escala mundial. É o caso do Eduardo Reinhaque, ele está há aproximadamente seis meses trabalhando na Sherpa, segundo ele a Austrália é um país que recebe muito bem pessoas de todas as nacionalidades, na Sherpa por exemplo, o que menos tem são australianos. Ele ainda complementa que chama muita atenção a cordialidade do povo australiano, “É o país do sorry e do excuse me”.

Um ponto importante que se nota nos brasileiros que migram é a questão do foco, pois apesar das facilidades para empreender ou para buscar um emprego formal no mercado empresarial, muitos optam por caminhos mais rentáveis no curto prazo, como por exemplo, trabalhar na construção civil. Na Austrália, na média um operário  ganho o dobro de uma pessoa de nível médio nas empresas, no entanto será muito mais difícil de conseguir construir uma carreira e evoluir profissionalmente. O Eduardo migrou com o visto de estudante mas espera em pouco tempo que a empresa lhe dê a condição de “Sponsor”, que é quando ele passa a ter um visto de trabalho solicitado e custeado pela empresa em que ele trabalha.

Já o Humberto é empreendedor e também trabalha em uma startup, mas esta já virou empresa de grande porte. Ele atua na área de logística da Aussie Comerce, que em 2013 foi considerada a startup da Austrália de maior destaque, iniciou em 2010 e desde então acumula uma taxa de crescimento anual de 242%, é um dos maiores grupos de e-commerce da Austrália, são 8 milhões de clientes e 400 funcionários. O Humberto migrou já com o visto de trabalho, ainda no Brasil participou do processo de seleção de diversas empresas e foi aprovado. Segundo ele, se você tem um bom nível de inglês é possível migrar com o visto de trabalho, há muita demanda por pessoas qualificadas no país, e o brasileiro é bem vindo. Ainda no Brasil ele também iniciou a sua startup, e segundo ele, esta atuando como funcionário neste momento, apenas para buscar um fôlego financeiro para dar um passo ainda maior na sua empresa.  A empresa que o Humberto criou é a Wannamigrate, que tem como objetivo justamente ajudar brasileiros que querem migrar para a Austrália, segundo ele o processo de migração pode ser muito mais fácil do que as pessoas imaginam, e tudo por ser feito pela internet ainda no Brasil. Ele já morou em quatro países diferentes, sempre conseguindo trabalhar e se sustentar no local.

IMG_6426

Além das opções de visto de estudante e visto de trabalho existe a de residente permanente, ela é bem mais complexa e normalmente as pessoas aplicam para o de estudante, após migram para o visto de trabalho e então  depois de alguns anos conseguem o visto de residente.  Mas  existem casos de pessoas que ainda no Brasil tentam a última opção. Foi o caso da Helena Miceli, durante cinco anos ela aguardou pelo seu visto, e após muitas etapas e testes ela conseguiu migrar junto com seu marido. Segundo ela, o processo de migração permanente é bem complexo e gera uma enorme ansiedade nas pessoas, para ela não foi fácil, pois ficou muito tempo morando no Brasil mas já pensando na Austrália. E depois de aprovada ainda existe o processo de adaptação à nova cultura e ao novo país. E foi todo este processo que motivou ela a iniciar a sua startup, a You by yourself .

A empresa  que a Helena criou tem como objetivo ajudar as mulheres que buscam algo a mais em sua vida pessoal ou carreira, ela viveu estas mudanças e obteve sucesso, por isto a vontade de compartilhar e ajudar outras pessoas que também querem mudar suas vidas. Segundo ela a empresa busca inspirar as mulheres a serem as designers das suas próprias vidas. O seu principal produto são os cursos e as palestras direcionadas ao público feminino.

A Austrália é um pais desenvolvido e com um alto nível de qualidade de vida.  As oportunidades profissionais são muitas e o processo de migração pode ser mais fácil do que muitas imaginam.  A alta diversidade de culturas e origens deixa claro que os profissionais qualificados e os empreendedores serão bem vindos por aqui.

Este conteúdo faz parte do projeto StartSe no Mundo, uma viagem empreendedora por mais de 40 países. Conheça o site do projeto clicando aqui e inscreva-se para receber conteúdos exclusivos ao longo da jornada, que podem inspirá-lo e adjudá-lo a empreender.