StartSe no Mundo: a China está revolucionando o mercado bancário

Avatar

Por Eduardo Glitz

29 de setembro de 2016 às 19:38 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Na minha matéria anterior contei para vocês sobre a minha impressão sobre a força da China. É 1,3 bilhão de pessoas consumindo desenfreadamente e o mais importante, sedentas por novas tecnologias. Tudo na China acontece muito mais rápido, em especial no universo dos smartphones. Na medida em que comecei a interagir com as pessoas que moram por lá, meus olhos brilhavam ao entender o quanto as novas tecnologias entraram no cotidiano das pessoas.

Empresas como WeChat, Alipay e Baidu, que eu pouco havia ouvido falar, são uma febre e estão absolutamente inseridas no cotidiano das grandes cidades. E se tornaram o principal meio para compras e principalmente transações financeiras, como pagamentos, crédito e investimentos.

É importante lembrar que ferramentas que fazem parte do nosso cotidiano como Google, Facebook e YouTube são bloqueadas na China. Isto forçou a criação de novas ferramentas em paralelo ao restante do mundo, mas que se desenvolveram e penetraram na vida das pessoas de forma impressionante. E agora vão se tornando grandes players mundiais, afinal ser líder em um país que tem uma população 5 vezes maior que a brasileiras, te dá uma credencial para se aventurar pelo mundo.

Começando pelo WeChat, ao contrário do que muitos pensam, não se trata apenas de um aplicativo para troca de mensagens como o WhatsApp. São 700 milhões de usuários de diversas funcionalidades incluindo a de redes sociais, e por lá você pode seguir estabelecimentos comerciais e receber benefícios por isto. E as ferramentas vão muito mais longe, desde pedir um taxi até comprar um seguro de vida.

Mas o melhor está por vir quando falamos de pagamentos, crédito e investimentos. Tanto o Alipay quanto o WeChat se tornaram as principais ferramentas de pagamento, seja para um simples café ou para uma compra no supermercado. Na hora de chegar no caixa basta abrir o aplicativo e mostrar o seu código, o operador do caixa irá escanear e o pagamento estará realizado, nada de cartão, senha ou assinatura. Em poucos segundos o processo é concluído e será debitado de sua carteira virtual.

A carteira virtual destes sistemas funciona como um meio do caminho entre o cliente e o banco, você pode ter o dinheiro nela que você transferiu do banco ou recebeu de alguém. As transferências bancárias de uma pessoa para outra são feitas direto na ferramenta em dois cliques, dizendo adeus a burocracia que conhecemos do DOC e da TED. Ou seja, tanto no WeChat quanto no Alipay, você tem sua lista de contatos cadastrada e bastam alguns segundos para o dinheiro estar na conta do destinatário.

E quando se fala de investimentos as coisas não são diferentes, pelas duas ferramentas você pode investir diretamente nas mais diversas opções de produtos financeiros. E não pense que isto é para poucos. Ambos não possuem investimento mínimo e só o Alipay já tem mais de 200 milhões de pessoas investindo em seus produtos. Para efeito de comparação isto é mais do que todos os investidores da Bolsa de Valores na China e mais do que a população brasileira. O maior fundo deles, que tem o nome de Yuebao, equivalente a um fundo DI do Brasil, tem U$ 100 bilhões, este volume é maior do que o Banco Itaú tem de investimentos de seus clientes do varejo somados. E eles tem em somente um fundo!

O Baidu é a ferramenta de busca dos chineses, o Google deles. E que também não pretende ficar para trás nesta inserção dentro do mercado financeiro. Em outubro de 2014 eles lançaram seu primeiro fundo de investimentos que em apenas uma manhã captou dezenas de milhões de dólares e fechou para novas aplicações.

A verdade é que estas empresas se tornaram bancos, os verdadeiros bancos digitais, e a concorrência (e o restante do mundo) nem tiveram tempo de entender. Agora imagine os diversos países sub-desenvolvidos do mundo onde a penetração de smartphones é muito maior do que a de contas bancarias: estas pessoas irão pular a etapa de abrir uma conta em um banco físico, já irão direto para o verdadeiro banco digital.

A diferença do que vi nos novos bancos chineses  é clara quando comparamos com alguns exemplos que temos no Brasil e Estados Unidos. O conceito de banco digital desenvolvido nestes países, esta relacionado a você ter um banco a sua disposição, a qualquer hora em qualquer lugar. Mas os chineses foram muito além com o seu novo conceito de banco, pois a mina de ouro deste negócio chama Big Data, a base de dados sobre os clientes que cada uma destas empresas possui.

WeChat, Alipay e Baidu, eles sabem tudo a respeito do comportamento de seus consumidores e levam o banco digital para um novo patamar, que é o de antecipar as necessidades dos clientes e rapidamente entregar o produto mais adequado.

Os bancos tradicionais estão com os dias contados e sua pesada estrutura não os permite pensar diferente e mudar. Os bancos brasileiros estão tentando se reinventar, mas não conseguem por conta do enorme legado de agências e sistemas que não mudam da noite para o dia. Enquanto o Setúbal está pensando onde abrir a próxima agência as empresas chinesas estão se preparando para dominar o mercado financeiro mundial em um piscar de olhos. É hora de olhar com outros olhos para a China.

Mensagem para você: 

A revolução que está acontecendo na China é algo sem precedentes no mundo. Eu estive lá e vi inovações impressionantes, em especial no setor de financeiro. Sem duvida eles estão muito à frente do mundo quando falamos de sistemas de pagamentos e investimentos. No dia 3/10 farei um bate papo sobre China, e pretendo detalhar ainda mais esta inovações bem como ouvir as dúvidas de vocês. Então inscreva-se agora!