StartSe no Japão: Hapon Shinjuku, coworking no coração de Tóquio

Da Redação

Por Da Redação

16 de junho de 2016 às 15:26 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Por Felipe Leal*

A viagem do StartSe no Mundo pelo Japão começa com a visita ao Hapon Shinjuku, um dos espaços de coworking mais recomendados de Tokyo. O local foi inaugurado em 2011 por três sócios que moravam juntos e, como é característica no Japão, dividiam um pequeno apartamento. A partir daí tiveram a ideia de compartilhar também um espaço de negócios aberto ao público que ajudasse a resolver o problema da falta de espaço aliada aos altos custos de locação dos escritórios em Tokyo. Além claro, de criar um ambiente de negócios voltado para as pequenas empresas, empreendedores individuais e startups.

A recepção foi à base de chá verde e com a tradicional cortesia e educação japonesa. Desde as primeiras pesquisas, ainda no Brasil, sobre o ambiente de negócios e startups no Japão, ficou claro que o maior empecilho seria o idioma, pois em muitos locais ninguém fala inglês. Não foi o caso do Hapon Shinjuku. Quem guiou a visita foi um dos sócios, Masashi Nagamori, que nos apresentou o local, os ambientes de trabalho e algumas startups e pequenas empresas instaladas no espaço.

O nome Hapon Shinjuku faz menção ao próprio país (Hapon = Japão) e a Shinjuku, um bairro que fervilha em termos de negócios, circulação de pessoas, comércio e entretenimento. É um contraste, já que o ambiente do coworking segue uma linha de tranquilidade bem japonesa, super silencioso, para que ninguém perca a concentração naquilo que está executando.

Circulam por lá aproximadamente 30 empreendedores todos os dias, sendo que o espaço conta com 60 membros ativos que pagam mensalmente pela utilização de todos os ambientes e recursos. O custo varia de aproximadamente R$ 60,00 (valor da diária para usuários pontuais e com acessos e recursos restritos) a R$ 1.400,00 (valor mensal para membros com total acesso aos recursos disponíveis: área reservada, salas de reunião, armário, free wi-fi e impressora, endereço para correspondência e acesso 24/7). Periodicamente, eventos são realizados para estimular as ideias e a troca de informações, além de ampliar o conhecimento de todos.

O espaço é dividido em uma área comum, duas dedicadas aos membros com espaços mais reservados e fixos, salas de reunião e um café. A decoração é um ponto de destaque do Hapon Shinjuku, aliando simplicidade e peças de design fabricadas por um dos sócios com talento para a marcenaria. As mesas da área comum, por exemplo, tem o formato das principais províncias do Japão, além de uma guitarra. Uma das salas de reunião não poderia ser mais japonesa, no melhor estilo tatame com almofadas no chão e o Monte Fuji desenhado na parede. Muito astral!

Nos ambientes dedicados aos membros, pudemos conhecer alguns dos empreendedores que estabeleceram seus negócios por lá. Arquitetos, designers, professores de matemática, startups que atendem o terceiro setor e importadores de diversos produtos são alguns dos exemplos de empreendedorismo que encontramos. Conversamos com um deles, o Kohei Orikoshi, que tem uma empresa de importação de vinhos para o Japão, a Bianco Rosso. Ele inclusive importa vinhos brasileiros produzidos em SC exclusivamente para o mercado japonês.

Apesar do Japão ser reconhecido por um histórico de inovações em diversas indústrias, o Hapon Shinjuku nos mostrou um lado menos tecnológico e mais humano do empreendedorismo japonês. O Japão ainda está desenvolvendo o seu ecossistema de startups e coworkings como o Hapon Shinjuku ajudam e muito a criar e estabelecer esse ambiente de negócios. Foi uma honra ter tido a oportunidade de conhecer o local e, principalmente, as pessoas que estão fazendo tudo isso acontecer do outro lado do mundo.

Arigato Masashi, Arigato Hapon Shinjuku!

*Felipe Leal é o correspondente do Startse no mundo no Japão.

Desde que soube do projeto StartSe no Mundo, trazendo ao Brasil ideias de negócios através do olhar empreendedor do Eduardo Glitz na sua volta ao mundo, me tornei fã da iniciativa. Assim que defini minha viagem de férias ao Japão, com o propósito de conhecer uma cultura completamente diferente da nossa, conversei com o Glitz para ser uma espécie de correspondente StartSe no Mundo naquele país. Ele topou prontamente e a partir daí nasceu o conteúdo que será apresentado a vocês nos próximos dias! Arigato e aproveitem!

IMG_5779 IMG_5775 IMG_5770 IMG_5765 IMG_5757 IMG_5755 IMG_5754 IMG_5751 IMG_5748 IMG_5747 IMG_5743 IMG_5741 IMG_5738

Este conteúdo faz parte do projeto StartSe no Mundo, uma viagem empreendedora por mais de 40 países. Conheça o site do projeto clicando aqui e inscreva-se para receber conteúdos exclusivos ao longo da jornada, que podem inspirá-lo e adjudá-lo a empreender.