StartSe em Singapura: país onde até o governo ajuda na economia

Avatar

Por Eduardo Glitz

13 de junho de 2016 às 14:47 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A sensação é de estar visitando o futuro, prédios enormes e monumentos futuristas lembram o Epcot Center, em Orlando.

Em contraste, do alto do prédio do meu hotel, com mais de 50 andares, vejo dezenas de navios esperando para atracar no segundo maior porto do planeta. Com uma população de apenas 5 milhões de habitantes, estamos falando de apenas uma cidade que é um país, ou um país que é apenas uma cidade, mas o que importa mesmo, é que a Singapura é uma das economias que mais cresceram no mundo nas ultimas décadas. Sob o governo de  Lee Kuan Yew, falecido em 2015, o país saiu do terceiro para o “Primeiro Mundo”, crescendo em média 7% ao ano, por quatro décadas. A total abertura comercial, junto com a visão estratégica de Lee para lidar com a infraestrutura, a indústria e a educação, poderiam servir de inspiração para outros países.

São apenas 50 anos de história, mas que construíram o quarto maior centro financeiro do mundo e que também é a base asiática de grandes empresas.  Singapura é considerado o segundo pais do mundo no quesito liberdade econômica, ficando atrás apenas de Hong Kong, e o primeiro lugar no ranking relacionado a facilidade em realizar negócios.

A história recente do mercado de startups no país tem a participação relevante de uma estrutura chamada Block 71, ou BLK71 para os mais próximos. Estamos falando de um antigo prédio que abrigava diversas industrias, que após estar praticamente abandonado o governo transformou em uma enorme incubadora para centenas de startups e demais integrantes do ecossistema local. O negócio deu muito certo, somente neste prédio são 250 startups abrigadas, que o governo nos últimos dois anos criou mais dois prédios iguais e pretende até o final de 2017 criar mais três.

A atuação do governo para incentivar as startups é impressionante. Além dos incubadoras existem diversos incentivos governamentais para atrair investidores ao mercado. Oferecendo co-investimento governamental que pode ir a até 10 vezes o valor investido, exemplo se você investe U$10 mil em uma startup o governo investe junto com você até U$100 mil. Números impressionantes e que deixam claro que não é por acaso que o país cresce em um ritmo tão grande e está na vanguarda tecnológica.

IMG_5425 IMG_5943 IMG_5933

Este conteúdo faz parte do projeto StartSe no Mundo, uma viagem empreendedora por mais de 40 países. Conheça o site do projeto clicando aqui e inscreva-se para receber conteúdos exclusivos ao longo da jornada, que podem inspirá-lo e adjudá-lo a empreender.