Paris introduz ônibus que dirige sozinho na cidade e completamente elétrico

Da Redação

Por Da Redação

24 de janeiro de 2017 às 12:49 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Mais uma notícia sensacional para os amantes da tecnologia! Paris começou a introduzir veículos 100% autônomos e elétricos no centro da cidade, para realizar o transporte de passageiros em pequenas distâncias.

O que antes seria feito por um ônibus convencional ou uma mini-van, agora será realizado por um veículo 100% elétrico. Isso deverá ajudar a reduzir trânsito e poluição na “Cidade da Luz”, grandes problema enfrentadas pela metrópole.

Por enquanto, são apenas dois ônibus, chamados de EZ10, indo e voltando das estações Lyon e Austerlitz no centro de Paris – uma distância de apenas 1 quilômetro. Será um teste de três meses, que começou ontem e deverá oferecer viagens gratuitas sete dias por semana. O teste também serão feitos em outros pontos da cidade.

“Veículos autônomos representam uma revolução para cada cidade no planeta. Isso vai mudar nosso ambiente urbano e espaços públicos de forma espetacular nos próximos 20 anos”, destacou o vice-prefeito da cidade, Jean-Louis Missika, à AFP.

A companhia francesa EasyMile é que produz o EZ10, que podem carregar até 12 pessoas e usam câmeras, lasers e GPS para andar pela cidade. Possuem uma velocidade máxima de apenas 20 quilômetros por hora e são ideias para curtas distâncias. A cidade de Darwin, na Austrália, também deverá começar a testar a tecnologia.

É impressionante a revolução que os carros autônomos estão fazendo em algumas das principais cidades do mundo, como em São Francisco (o coração do Vale do Silício) e Pittsburgh (no estado americano da Pensilvânia), cidades onde encontrar carros que se dirigem sozinhos já é extremamente habitual.

A tendência é que tenhamos cidades muito mais limpas por conta deles, com uma eficiência muito maior. Isso também pode jogar o preço da habitação para baixo, conforme locais antes usados pela “economia do carro”, como postos de gasolina e estacionamentos, sejam convertidos em locais para viver. A expectativa é que poucas pessoas tenham carros nas próximas décadas.

Todos esses efeitos são conversados com frequência no Conexão Vale do Silício, nosso programa quinzenal de tecnologia e inovação aqui no StartSe. Não deixe de assistir.

Faça parte do maior conector do ecossistema de startups brasileiro! Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo!

[php snippet=5]