Mundo teve 3.358 exits de startups em 2016 e nascimento de unicórnios caiu 68%

Da Redação

Por Da Redação

31 de janeiro de 2017 às 15:01 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

O mundo teve 3.358 exits de startups em 2016, mostra um estudo da CB Insights. Este número foi uma queda de 4% frente ao que havia sido visto ano de 2015. Foram 3.260 fusões e aquisições e 98 aberturas de capital em bolsa.

Interessante notar que o estudo mostra que 44% de todos os exits foram de startups que não levantaram nenhum investimento de Serie A, enquanto 68% não tiveram nenhum investimento. O dado negativo, porém, é que apenas 25 unicórnios surgiram no ano de 2016, uma queda de 68%.

Entre as unicórnios, acelerou-se o ritmo de vendas: foram 18 saídas entre unicórnios, contra apenas 12 em 2015 – o que representa apenas 4% de todos os exits. Empresas como Jet.com, Dollar Shave Club e Skyscanner foram notícias no ano, mas não foram a norma.

O mercado global parece estar mais difícil para obter investimentos no longo prazo, sendo que apenas 8% das startups que fizeram exit tinha uma Serie C, por exemplo. Além disso, os valuations estão ficando mais apertados do que em anos anteriores.

O Google o foi o maior comprador, comprando 18 companhias, seguido por Salesforce e Accenture empatados em 2º e J2 Global em 4º. Entre os investidores, o mais presente em todos os deals foi o SV Angel, tendo participado do exit de companhias como Cruise Automation, Twilio e Vurb. Os outros do top 5 foram Intel Capital, 500 Startups, Andressen Horowitz e Norwest Venture Partners. Entre as grandes companhias, o primeiro lugar do ranking ficou com o Intel Capital, seguido por Google Ventures e Salesforce.

O que é um exit?

Mas, afinal, o que é um exit? Ele é o momento em que o investidor (ou empreendedor) realizam a venda de sua participação na startup, seja pela aquisição por parte de outra instituição (normalmente uma empresa) ou, mais comum no exterior, a abertura de capital em bolsa de valores. Cheque mais termos no nosso glossário.

Faça parte do maior conector do ecossistema de startups brasileiro! Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo!

[php snippet=5]