Gigantes investem em startup que está se transformando na Tesla da aviação

Da Redação

Por Da Redação

5 de abril de 2017 às 11:53 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Os carros elétricos serão uma das grandes transformações do planeta nos próximos anos. A poluição vai baixar, a qualidade do ar vai melhorar e os gastos com combustível (ou bateria) vão ser drasticamente reduzidos. Contudo, um voo entre Rio de Janeiro e São Paulo produz a mesma poluição que um carro fazendo o mesmo trajeto por 50 anos seguidos, então fica claro que também precisamos mudar isso.

Por sorte, existe uma empresa que quer tomar o manto de “Tesla da aviação”. A Zunum Aero, que acaba de anunciar que recebeu investimento da Boeing e da JetBlue, duas gigantes do setor de aviação. O fundador da empresa Ashish Kumar, disse ao Business Insider, que considera-se “muito sortudo de ter Boeing e JetBlue como apoiadores”, pois mostra que estão no mesmo caminho para reinventar a aviação regional.

É interessante ele mencionar isso, pois o avião elétrico que a Zunum está projetando é muito adequado para voos curtos – aqueles entre duas cidades do interior. Isso pode fazer com que a aviação se torne muito mais “direta” do que é hoje, permitindo reduções expressiva no tempo de viagens e custos para as empresas.

A nave teria capacidade entre 10 a 50 passageiros e uma autonomia de cerca de 1.600 quilômetros nas baterias, embora tenha um motor a diesel reserva caso seja necessário estender o voo. A aeronave deverá, no total, ter 80% menos emissões que um avião tradicional, além de fazer 75% menos barulho. Quando a tecnologia avançar, este motor a diesel será trocado por outra bateria reserva, que deverá baixar as emissões para zero.

A expectativa é que tudo isso faça com o custo da aviação caia até 80% por voo, o que abaixaria o preço e ajudaria a rentabilizar as companhias aéreas, um setor marcado por grandes quebras e interrupções de serviço. Essa economia de custo é um grande atrativo para a JetBlue, líder no tráfego regional americano.

É interessante ver duas gigantes como Boeing e JetBlue investindo em uma startup. Isso mostra que elas estão interessadas em novas tecnologias que podem fortalece-las e garantir a sobrevivência das empresas em um mundo de grandes transformações. Temos um e-book gratuito sobre este assunto – e como startups podem ajudar grandes corporações -, além de um evento em São Paulo para tratar do assunto. Não deixe de conferir.

Por parte da JetBlue, o investimento foi feito através da JetBlue Ventures, uma equipe full-time no Vale do Silício para avaliar startups que podem fazer sentido para a companhia. Ela é uma das inúmeras empresas que instalaram-se no Vale para avaliar novidades tecnológicas e trazer para dentro o que pode ser benéfico para a companhia.

Vale notar também que os aviões da Zunum também deverão cortar vários custos associados com aeroportos, já que existe potencial para que a aviação dependa menos de “hubs” (onde são feitas as conexões) e seja mais direta. Kumar estima que ela poderá agilizar o transporte de passageiros em duas até quatro vezes por conta disso.

Faça parte do maior conector do ecossistema de startups brasileiro! Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo!

[php snippet=5]