Começo do efeito Trump: Apple estuda fabricar os iPhones nos EUA

Avatar

Por Lucas Bicudo

18 de novembro de 2016 às 14:27 - Atualizado há 4 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 22 a 25/Fev - 2021, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

A Foxconn, principal parceira de manufatura da Apple, é uma das empresas que dizem estar explorando o potencial de realocar as instalações de produção do iPhone da Ásia para os EUA, de acordo com uma matéria veiculada no jornal japonês The Nikkei.

O relatório vem na onda das críticas de Donald Trump durante as eleições presidenciais dos Estados Unidos. Ele citou os trabalhos perdidos em solo americano e disse que iria fazer a “Apple construir seus computadores dentro do país”.

Um dos principais discursos de Trump foi a proposta de aumentar as tarifas de comércio internacional para desencorajar as importações e transferir empregos e produção de volta para os Estados Unidos. Segundo o presidente, o imposto de importação para produtos feitos na China chegaria a 45%.

Entretanto, o Nikkei afirma que o Pegatron, outro produtor-chave de componentes da Apple, rejeitou a sugestão por conta do aumento dos custos associados. Esse é um cenário mais realista. As reivindicações e propostas da campanha eleitoral de Trump precisam primeiro saírem do papel. Ele é famoso por falas inflamadas. Tem que ver se suas atitudes condizem.

A demanda da Apple representa metade dos negócios da Foxconn, então não é uma grande surpresa que a companhia tailandesa esteja aberta para tal possibilidade, em jogada para apaziguar a pressão política que a empresa de Palo Alto pode estar sofrendo ou pode vir a sofrer.

Há mais do que política envolvida nessa questão. Como que a economia reagiria com a produção de iPhones em solo norte-americano e o quão fácil e possível seria ela em termos de condição de trabalho e expertise.

Juntas, Foxconn e Pegatron produzem mais de 200 milhões de iPhones por ano para satisfazer a demanda mundial pelo aparelho.

(via TechCrunch)

Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo!

[php snippet=5]