Cientistas descobrem “santo graal” da física – e que pode mudar o mundo!

Avatar

Por Lucas Bicudo

27 de janeiro de 2017 às 15:25 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Dois cientistas de Harvard conseguiram criar uma nova substância que é tida por muitos da comunidade científica como o “santo graal” da física. Trata-se do hidrogênio metálico, a nova descoberta que pode mudar o mundo – e além dele. Vejamos porquê.

A substância foi criada a partir da pressão do hidrogênio, em níveis que nem o centro da Terra atinge. O experimento quebrou a molécula de seu estado sólido e permitiu que as partículas se dissociassem em hidrogênio atômico.

Os melhores combustíveis de foguetes que atualmente temos são o hidrogênio e o oxigênio líquido. Eles são queimados para dar propulsão suficiente para as naves chegarem em órbita e seguirem um curso. É o chamado “impulso específico”.

“Pessoas na NASA e na Força Aérea me contaram que se eles conseguissem obter um aumento de 450 segundos de impulso específico para 500, isso teria um enorme impacto sobre como lidaríamos com o aeroespaço. Poderíamos ir mais longe”, comenta Isaac Silvera, professor de Ciências Naturais de Harvard e um dos encarregados pelo projeto. “Para se ter uma noção, se você conseguir acionar o hidrogênio metálico para recuperar a fase molecular (a de liberação de energia), você pode chegar até 1700 segundos. A projeção era de 50 segundos a mais. Aqui estamos falando do quádruplo”.

A substância permitirá que foguetes atinjam a órbita em um único estágio e que, possivelmente, sejamos capazes de explorar outros mundos e ir muito além do que já fomos.

O material também pode ser usado como um supercondutor, funcional em temperatura ambiente – o que economizaria muita energia e dinheiro, já que os supercondutores atuais só funcionam abaixo de -269 °C. Isso é gigante! As aplicações são imensas, particularmente para a rede elétrica, que sofre por perda de energia por dissipação de calor.

Outra funcionalidade seria nas máquinas de ressonância magnética, que teriam um custo extremamente menor para funcionar. Poderia também facilitar a levitação magnética para trens de alta velocidade, além de melhorar substancialmente o desempenho dos carros eléctricos.

No mais, a descoberta pode revolucionar a forma como a energia é produzida e armazenada. Não há dúvidas de que a tecnologia que estamos desenvolvendo vai mudar o mundo! Discutimos isso no Conexão Vale do Silício, nosso programa para conversar sobre inovação e tecnologia.

Os cientistas teorizaram pela primeira vez o átomo de hidrogênio metálico há um século. Silvera, que criou a substância junto com o pós-doutor Ranga Dias, vinha pesquisando sobre desde 1982. Ainda há muito trabalho pela frente, mas certamente o primeiro passo em terra firme foi dado.

(via Inverse)

Faça parte do maior conector do ecossistema de startups brasileiro! Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo!

[php snippet=5]