Zuckerberg explica diferença entre Facebook e Alphabet: "não podemos falhar"

Avatar

Por Paula Zogbi

16 de novembro de 2015 às 13:18 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, deu uma entrevista densa à Fast Company, na qual comparou sua própria empresa à nova formação do Google. Para Zuckerberg, a Alphabet não consegue focar em um único projeto, e essa não é a maneira na qual sua empresa funciona. 

Em agosto deste ano, o Google adotou uma nova estrutura de holding que separou a companhia em duas frentes sob um guarda-chuva: o nome Google continua dando conta dos negócios de internet, enquanto a chamada Alphabet será responsável por agrupar o Google e a Calico, que contém subsidiárias como Google Ventures, Google Capital e outras.

Atualmente, o próprio Facebook comporta mais de um produto, mas a lista não é tão extensa: Facebook, Messenger, WhatsApp e Instagram. Já a Alphabet tem o Google (que contém YouTube, Android, buscas, etc), além das subsidiárias. Para Zuckerberg, “existem diferentes formas de inovar. Você pode plantar muitas sementes, não se comprometer com nenhuma delas e ver quais crescem. Essa definitivamente não é a forma que age o Facebook”.

Ele admite que há riscos maiores nessa abordagem: se uma das companhias da Alphabet der errado, ainda há diversas opções para a empresa se apoiar. “Essas coisas [as empresas do Facebook] não podem falhar. Precisamos que elas funcionem para atingir nossa missão”, afirma o CEO.