YouTube, Globo, Futebol, Oscar para Netflix… o fim da TV está próximo

Avatar

Por Júnior Borneli

2 de março de 2017 às 10:41 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Na última terça-feira, dia 28 de fevereiro, o Google anunciou o lançamento do YouTube TV, que é um serviço baseado nos moldes da TV a cabo, mas “pensado para a geração YouTube”.

O produto dará acesso a mais de 40 canais tradicionais, como ABC, FOX, ESPN, Disney Channel, FX, National Geographic, entre outros, e também a todo o conteúdo do YouTube Red, versão paga do site de vídeos que conta com programação original de séries e filmes.

Os usuários do YouTube consomem, diariamente, 1 bilhão de horas de conteúdos publicados. Esse número é muito próximo da plataforma de audiência da TV americana, por exemplo.

Esse movimento vai de encontro a outro episódio acontecido nos últimos dias: a recusa de Atlético Paranaense e Coritiba a uma proposta da Rede Globo para transmissão de seus jogos. O resultado foi a transmissão ao vivo do jogo pelo YouTube e pelo Facebook, em fato inédito no Brasil, colocando em cheque a dominância da Globo sobre as transmissões de futebol no país.

Outro fato que chamou a atenção foi a entrega do Oscar para produções de Netflix e Amazon. É a primeira vez que uma empresa não tradicional do mercado cinematográfico conquista essa premiação.

Definitivamente, mercados tradicionais estão sendo transformados. E um dos principais agentes dessa transformação são as startups e empresas de tecnologia. O StartSe, maior plataforma de startups do Brasil, criou o evento CORPORATE CLASS para discutir o tema com executivos e profissionais de grandes empresas. Nenhuma empresa está livre dessa ameaça.

A televisão, como conhecemos hoje, vai desaparecer nos próximos anos. Com a disseminação do acesso à internet de banda larga, cada pessoa com um smartphone se transformou em uma emissora de tv ambulante. Não existem mais barreiras para a distribuição de conteúdo e ninguém depende de uma plataforma robusta como a das TVs tradicionais para gerar audiência.

A própria Globo, que é diretamente impactada pelo YouTube TV e as produções independentes, está se modificando. Praticamente todo o conteúdo da emissora já está no Globo Play, disponível para dispositivos móveis.

Seja no mercado de TV e produção de conteúdo ou em qualquer outro mercado, a palavra de ordem é inovação. Não existe mais empresa intocável. Qualquer companhia bilionária ou centenária está ameaçada por empresas recém criadas e altamente inovadoras.

Esse é o novo mundo. E para conhecer mais sobre ele, conheça o Corporate Class: www.corporateclass.com.br.