Vice-presidente da ABCOMM discute sobre marketplace e clientes omnichannel

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

28 de novembro de 2017 às 11:23 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

Rodrigo Bandeira é vice-presidente da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABCOMM) e, em entrevista à StartSe, discutiu sobre as vantagens de participar de um marketplace, as características principais que um e-commerce deve ter e como lidar com consumidores omnichannel (que compram em lojas físicas e virtuais da mesma marca).

Desde a sua entrada na ABCOMM, em 2013, Rodrigo Bandeira experimentou um cenário de transformações significativo. Uma das maiores mudanças experimentada por ele até então foi o marketplace – uma loja virtual que revende produtos de outras lojas menores e recebe comissão por isso.

Os marketplaces são grupos estabelecidos ao longo dos anos, com um poder de mídia muito forte. Para o lojista que expõe nesse mercado, o custo com divulgação e marketing da marca diminui, ao mesmo tempo que as vendas aumentam, pois os produtos já encontram-se em plataformas de grande circulação de consumidores. “Por mais que o e-commerce conheça pessoas e possua uma rede social robusta, terá que investir em campanhas patrocinadas e e-mail marketing, o que custa caro e não necessariamente consegue converter o cliente em comprador”, afirma.

O marketplace é uma opção assertiva porque o lojista paga comissão pelos produtos que vende – ou seja, não há nenhum tipo de mensalidade.

Escolha entre marketplace x e-commerce

Mas, apesar das qualidades do marketplace, Bandeira ainda enxerga como vital o e-commerce próprio da marca. “O marketplace é uma boa opção pra quem está começando e não elimina a necessidade de ter um relacionamento por e-mail com o cliente – são questões complementares”, afirma.

Uma boa opção e que facilita a gestão do marketplace e e-commerce é uma plataforma que possibilite uma integração automática entre os sistemas. Hoje, existem diversas soluções nesse sentido, que serão discutidas no Retailtech Conference que acontece em dezembro.

Consumidor omnichannel

As compras online estão cada vez mais acessíveis. Hoje o consumidor está presente em todos os lugares – seja nas ruas ou nos smartphones. A tecnologia permite que consumidores brasileiros realizem compras na China ou Estados Unidos, ao mesmo tempo que vai para um shopping e encontra outras centenas de opção.

“Agora o cliente está em todos os lugares, é multicanal. Se você não estiver preparado nos mais diferentes canais, fazendo uma boa e inteligente integração para chegar na conversão em compra, está perdido”, disse Bandeira.

Para ele, as lojas físicas e virtuais são não concorrentes, mas plataformas que chegam onde o cliente está. “A integração permite que o cliente não saia de mãos abanando. Mesmo que não haja o produto na loja, ele pode recebê-lo em casa, porque seu canal físico estará integrado com o online”.

O mercado da moda é um exemplo de como o consumidor omnichannel é promissor. Uma grande barreira nas compras online é a falta de padronagem de tamanho do vestuário, o que é solucionado quando o consumidor pode provar o produto na loja física, podendo comprar onde desejar depois.

Participe do maior censo de startups do Brasil! Não deixe de entrar no grupo de discussão da StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo!

E caso você tenha em patrocinar os eventos da Startse, entre em contato no patrocinio@startse.com.

[php snippet=5]