VCs dividem experiências para dominar um nicho

Avatar

Por Lucas Bicudo

25 de julho de 2016 às 19:01 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Esse mês rolou no Alley, um co-working em Nova York, um papo sobre “VC Insider: Emerging Innovation in Real Estate Tech”, com gente seríssima do ramo. Ali, mesmo trabalhando mais em cima da tecnologia do mercado imobiliário, deu para ter uma percepção muito maior e abstrair lições valiosas sobre a importância de se dominar um nicho, um segmento. Vejamos algumas delas:

1 – Caia de cabeça, esteja dentro da discussão e faça com que as pessoas saibam quem você é

O mercado imobiliário, como qualquer outro mercado, é relativamente restrito e fala sua própria linguagem, segundo Brian Wilson, membro do time de investimentos da Tusk Ventures. Se você é novo nele, caia de cabeça e esteja completamente cercado de pessoas que estejam dispostas a te ensinarem alguma coisa.

2 – Se alie unicamente com pessoas que não suguem mais do que o necessário para os benefícios de ambos

Enquanto ter um co-fundador técnico em estágio inicial é crucial, encontrar um que não irá quebrar as contas é mais importante ainda, aconselha Claire Fauquier, associada sênior na Corigin Ventures. “Ter um talento desses é bem caro, então se você puder ter uma pessoa que não está cobrando os olhos da cara, no estágio em que você ainda nem está levantando dinheiro com família e amigos, e aceita trabalhar por equity e um salário reduzido, isso fará uma grande diferença. Você poderá entrar em problemas financeiros seríssimos ao longo do caminho caso dê passos maiores que a perna por alguém que não está te compensando a altura”, diz.

3 – Capacite sua mente para procurar e capitalizar oportunidades – a concorrência é brava

Faça seu trabalho com a ideia de que há um mar de outros fundadores tentando criar algo tão disruptivo quanto o seu para um pequeno, senão minúsculo, mercado. Companhias que não são distintas e capazes de capitalizarem as oportunidades mínimas provavelmente não sobreviverão, finaliza Fauquier.

(via Entrepreneur)