Um terço dos unicórnios vão deixar de valer US$ 1 bilhão em breve

Avatar

Por Lucas Bicudo

22 de agosto de 2016 às 14:30 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Quase que um terço das companhias de tecnologia privada nos Estados Unidos que atingiram o status de unicórnio eventualmente valerão menos que US$ 1 bilhão, de acordo com um relatório enviado pela SharesPost Inc, uma plataforma que investe em companhias no estágio pré IPO e divulga análises sobre o mercado dos unicórnios – como elas foram criadas e como elas irão sobreviver.

A análise destaca que o crescimento de venture capital que tem financiado a proliferação de unicórnios nos últimos anos deram à essas empresas valuations que não mereciam de investidores ansiosos.

Globalmente existem em torno de 170 empresas unicórnios, avaliadas em mais de US$ 600 bilhões. Em 2013, quando o termo surgiu no Vale do Silício, existiam apenas 39 avaliadas em US$ 100 bilhões. “Nem todas essas companhias continuarão a crescer e estarão no caminho certo”, diz Greg Brogger, fundador do SharesPost.

Quase que 30% dos 90 unicórnios estabelecidas no Estados Unidos ou se tornarão públicas, ou serão adquiridas por uma valuation menor, de acordo com o relatório. A SharesPost destaca que, entre 1995 e 2010, apenas 1 a 2% dos investimentos de risco atingiram a marca de US$ 1 bilhão em IPO. Assumindo que essa média seja mantida, como informa Rohit Kulkarni, cerca de 30 unicórnios norte-americanas serão forçadas a terem um exit menor de US$ 1 bilhão.

Embora a taxa de sucesso dos unicórnios sejam as mesmas que 20 anos atrás, os investidores têm feito mais dinheiro, pois se tornaram mais dinâmicos e investiram mais, aumentando as probabilidades. “O tamanho de um “home run” é muito maior que costumava ser, mesmo que a média de rebatidas seja a mesma”, continua Brogger.

(via Reuters)

Mensagem do Editor
Ei, tudo bom?
Gostaria de agradecer pela visita! Meu nome é Felipe Moreno, sou editor-chefe do StartSe e, como muito de vocês, dono de uma (minúscula) startup de mídia.
E vou te fazer um pequeno convite: vamos bater um papo! É só se cadastrar aqui embaixo e eu vou te enviar alguns e-mails para você com o melhor do nosso conteúdo para te ajudar, seja você um empreendedor, funcionário, investidor ou apenas interessado neste maravilhoso mundo!
É um caminho de comunicação direto que nenhum outro portal oferece para seus leitores. E a intenção é construir uma comunidade vibrante que esteja preparada para todos os enormes desafios que virão. Vamos construir conhecimento e conteúdo juntos! Conto muito com a presença de vocês neste papo!
[php snippet=5]
E não é só isso! Você tem alguma sugestão de pauta? Quer conversar sobre sua startup? Assessora alguma empresa? Tem alguma dica que pode ajudar outros leitores? Quer ter a SUA matéria publicada no site?
O StartSe quer ouvir de VOCÊ, nosso leitor, o que precisamos fazer para melhorar cada vez mais o site! Deixamos o form abaixo para você, mas se quiser, basta mandar um e-mail para redacao@startse.com.br!
 [contact_bank form_id=3]
[php snippet=9]
E por último, não esqueçam de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook! Lá poderemos debater tecnologia, inovação, startups, empreendedorismo e criar um ambiente saudável de troca de opiniões e networking!