Sua conta no Netflix pode ser roubada e vendida por US$0,25; proteja-se

Avatar

Por Paula Zogbi

11 de fevereiro de 2016 às 17:00 - Atualizado há 5 anos

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

Um malware, que afeta principalmente usuários brasileiros, está roubando contas do Netflix para hackers revenderem por cerca de US$0,25 no mercado negro.

De acordo com uma pesquisa da companhia de segurança Symantec, lançada nesta quinta-feira, existe um “mercado negro crescente que promete fornecer acesso mais barato ao serviço”. 

Os usuários, que pagam US$9,99 pelo serviço mensal nos EUA e R$17,90 no Brasil, são roubados por meio de “phishing” ou malware. No primeiro caso, os hackers criam páginas que se passam pelo serviço real para obter acesso a usuários e senhas – às vezes, avisando que é necessário mudar os dados.

Já no uso do malware, que é a prática que afeta mais brasileiros, o usuário baixa um programa desenvolvido para se parecer com a rede de streaming, mas na verdade é um vírus, o qual rouba as informações. Algumas vezes, segundo a Symantec, esse vírus é contraído por meio de anúncios que oferecem acesso mais barato ao Netflix.

A partir do momento em que obtêm acesso às contas, esses hackers revendem por uma fração do preço real, ou ainda oferecem a opção de comprar em grandes levas, para que o “cliente” monte sua própria “loja” de contas do Netflix.

Como evitar

1. Só faça downloads de aplicativos pelo próprio Netflix ou fontes oficiais, como as lojas de apps Google Play e App Store

2. Antes de digitar suas informações de acesso, cheque a URL do site em que está, para ter certeza da legitimidade

3. Evite quaisquer banners e promoções que possam parecer ‘boas demais’, pode ser uma armadilha.