Quer conhecer uma nova forma de empreender, criar riquezas e inovar?

Da Redação

Por Da Redação

23 de fevereiro de 2015 às 09:30 - Atualizado há 6 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

SÃO PAULO – Pense um pouco na rotina do dia-a-dia de um trabalho de escritório comum. O funcionário provavelmente checa seu e-mail quando chega, resolve algumas questões, trabalha em alguma tarefa diária, reclama do comportamento dos colegas e (possivelmente) passa um tempinho no Facebook antes de dar a hora, levantar e pegar o carro ou transporte público para casa. Ou para o bar.

Inovação, portanto, está fora da rotina das empresas. São poucas pessoas que conseguem se esquivar da rotina e se dar o luxo de tentar criar coisas novas que inovem a maneira que a empresa funciona. Mas os chefes possuem demandas, a empresa tem problemas, questões, metas. E para solucioná-los, muitas vezes é necessário buscar a ajuda de terceiros. Mas a que custo?

Para a empresa, uma das soluções é contratar algumas cabeças para pensar na solução, pagá-los e torcer para que alguém tenha uma boa ideia. Só que a solução das questões que as empresas possuem não precisa ser este modelo engessado. O StartSe InfoMoney lhe apresenta uma nova forma forma de solucionar estes problemas, de empreender, de criar riquezas e realizar sonhos: um desafio de inovação.

1.000 cabeças pensam melhor do que uma
Volte a pensar na empresa comum um momento. Imagine que ela contratou três pessoas para resolver um problema “X”. Depois de um mês, estes três funcionários apresentam três alternativas que eles consideram viáveis: duas delas são ruins e logo descartadas. A última é “satisfatória”, mas não é aquela maravilha que o patrão esperava e a empresa precisava. Isso se nenhuma for boa o suficiente e o projeto ter de voltar para a prancheta.

Agora imagine que no lugar desta equipe de 3 funcionários, houvessem 1.000 equipes pensando e trabalhando na solução do seu problema. As chances de que uma ideia boa, inovadora e que solucione a questão da forma adequada é muito maior, não é mesmo? E a solução ideal surgiria também com muito mais agilidade que antes, permitindo que a empresa ganhe maior competitividade no mercado, certo?

Foi pensando em conectar os empreendedores e as empresas que o StartSe InfoMoney lançou, conjuntamente com a XP Investimentos, o primeiro desafio StartSe para Startups. A empresa apresentou uma questão que ela gostaria de melhorar para as mais de 1.000 startups cadastradas na plataforma StartSe. Hoje, já são mais de 1.400.

Deste bolo, 117 empresas, com mais de 600 pessoas, de todo o país resolveram participar do desafio e descobrir uma solução para o que a XP Investimentos propôs. O prêmio e incentivo? R$ 30 mil para até cinco empresas vencedoras do desafio – as finalistas -, que receberão também a oportunidade de colocar seu negócio no mercado em conjunto com a XP. Em outras palavras, a plataforma uniu empreendedores dispostos a criar novas riquezas e um grande investidor que precisava deste gás.

Para o investidor, o desafio sai muito mais barato do que criar formas internas de inovação e aumenta as chances de que as ideias não sejam apenas satisfatórias. Para o empreendedor, dá ânimo e recursos financeiros para colocar uma ideia em execução e ganhar dinheiro com ela. Um caso em que todos saem ganhando.

Este tipo de conexão para promover inovação é inédito no Brasil, mas já é feito com bastante sucesso nos Estados Unidos e Europa – criando milhares de novos negócios e fortalecendo as empresas. Por isso, a ideia ganha cada vez mais força: duas grandes empresas de tecnologia já discutem a possibilidade de criarem desafios conjuntamente com o StartSe para solucionar seus problemas.

O seu desafio é nosso
O desafio da XP era bastante simples: criar uma ferramenta (de qualquer tipo) para ajudar os brasileiros a investirem melhor, aumentando assim a clientela da empresa. A liberdade criativa era imensa, fazendo surgir jogos interativos, com aplicativos de cálculo e ensino e ambientes de troca de informações também surgindo. Das 117 empresas que enviaram seus projetos, 5 apresentaram ideias que a XP considerou muito boas e as levou para uma etapa final, com mentorias da própria XP e discussões a respeito dos caminhos tomados.

Além da diversidade de ferramentas e ideias, também veio uma diversidade de empresas em estágios diferentes: de startups que nasceram praticamente para participar do desafio como empresas que já possuem alguns produtos de sucesso no mercado. É o caso da Mobills, que já possuía um aplicativo de finanças pessoais entre os mais baixados das lojas de aplicativos do Google e Apple. 

“Nossa startup foi criada em maio de 2014 e é formado por uma equipe de 6 pessoas, hoje já temos um aplicativo de controle de finanças pessoais publicado tanto no Google Play como na App Store, somando mais de 800 mil download”, diz Carlos Augusto Batista, da Mobills. “Acreditamos que essa oportunidade pode ajudar-mos a criar um novo produto mais voltado para um publico que deseja investir seu dinheiro e mesmo se o não ganhar o desafio iremos seguir com a ideia para ajudar o brasileiro a investir melhor”, completa.

Já Leandro Jungbeck, da Inve$ting, tinha uma das vivências mais ligadas ao mercado financeira ao atuar como agente autônomo de investimentos, algo que impacta em seu projeto, uma plataforma online de sugestão de investimentos. “As dificuldades encontradas no dia-a-dia na captação e ativação de novos clientes levou à criação de uma proposta para sugestão de alocação online de produtos financeiros, buscando marcar presença em todo o território nacional e ter ganho de escala no negócio”, afirma”. Sua empresa era uma das menores do desafio, sendo composta por ele e um colega, Danimar Veriato. 

Enquanto Jungbeck trabalhava como agente autônomo, Mateus Lana, da SmarttBot, criava sua startup com a ajuda de uma universidade federal. “Surgimos dentro da incubadora de empresas da UFMG, a Inova, em 2011, com o objetivo de melhorar a maneira das pessoas investirem. Hoje já possuímos uma ferramenta para a pessoa física automatizar seus investimentos de maneira simples, uma calculadora de Imposto de Renda e uma plataforma gráfica online”, diz o jovem empreendedor, responsável por uma ferramenta de comparação de rentabilidades.

Junto com uma equipe de outras 10 pessoas de áreas diversas como economia, computação, matemática e marketing, Lana agradece a oportunidade do desafio. “A possibilidade de ter mentorias da XP e nos aproximar dela é sensacional. De qualquer forma nos vamos finalizar o projeto e colocá-lo no ar, se ganharmos começaremos com um apoio sensacional. É muito bom ver empresas grandes, que acompanhamos e admiramos, buscarem das Startups uma mão na hora de inovar. As empresas e startups só têm a ganhar, pois as forças delas se complementam”, destaca.

Mas não é necessário uma equipe para que as ideias apareçam e sejam viáveis. Um dos finalistas do desafio desenvolveu seu projeto sozinho. Thaynan Wesley desenvolve um aplicativo chamado Morfeu, que tem como objetivo disciplinar o usuário financeiramente com foco nos seus sonhos. “A ideia se encaixa muito com o escopo do desafio, e oportunidade de parceria com uma empresa renomada como a XP foi o principal motivo para a participação”, destaca.

Fora do tradicional mundo de ferramentas, Guilherme Campos criou um jogo para ensinar os usuários – uma forma completamente diferente de solucionar o problema proposto da XP, o que aumenta o leque de escolhas da empresa que propôs o desafio. “Tive a idéia de criar um game onde o futuro investidor controla um personagem o qual recebe um salário fictício, pode adquirir bens materiais e investir em diferentes produtos. A mecânica do jogo incentiva o usuário a compará-los e investir com consciência, simulando a vida real”, diz. Nos próximos dias, a XP anunciará quais destes cinco projetos receberão o prêmio de R$ 30 mil e terão a oportunidade de lançar seu produto juntamente com o maior shopping financeiro do Brasil.