Pílula que alimenta celulares ganha prêmio de design

Avatar

Por Paula Zogbi

14 de janeiro de 2016 às 09:41 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Criado pelo chinês Tsung Chin-Khse, o Mini Power pode ser uma solução interessante ao desespero quase diário de ficar sem bateria em um gadget. 

Trata-se de uma “pílula” que alimenta a bateria de smartphones, que é mais compacta e prática do que carregadores portáteis – os quais muitas vezes não estão dentro da bolsa ou ficam, eles mesmos, sem bateria.

A ideia é que as pequenas cápsulas, que realmente se parecem com pílulas e são ambientalmente sustentáveis, sejam vendidas em lojas de conveniência, em diferentes tamanhos e compatíveis com micro USB ou conector Lightning – com quase todos os smartphones, portanto. Ele deveria vir em versões de 6h, 4h ou 2h de duração.

O Mini Power usa uma bateria de papel, que não contém metais pesados, além de não superaquecer e não correr o risco de explodir e machucar o usuário; o que pode ocorrer com os carregadores comuns. É uma medida emergencial prática e segura.

Pela sua aparência inusitada, a tecnologia foi premiada pelo Red Dot Award, de design conceitual. Mas, se passar a existir, deve fazer um sucesso enorme.