Pesquisa mapeia o uso demográfico de ad-blocks

Avatar

Por Lucas Bicudo

20 de abril de 2016 às 13:57 - Atualizado há 5 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 22 a 25/Fev - 2021, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

A Tune, companhia de marketing móvel, divulgou um novo relatório que diz que pelo menos 24% de seus inquiridos usam algum tipo de ad-blocking app ou browser.

A pesquisa foi feita com aproximadamente 4 mil proprietários de smartphones nos Estados Unidos e Europa. A adoção do sistema preventivo a propagandas tem crescido exponencialmente nos últimos tempos – a Tune projeta que no terceiro trimestre de 2017 80% dos smartphones estarão equipados com ad-blocks.

Entretanto, há algumas ressalvas a serem feitas para essa perspectiva: esse é um inquérito em que as respostas não trouxeram resultados concretos, visto que 21% das pessoas responderam que eles não tinham certeza se estavam equipados de algum mecanismo preventivo à ads. Além de tudo, a Apple apenas permitiu o serviço no iOS no último outono, o que torna o aplicativo ainda recente e não tão popular para todo o público. Há também uma nota no relatório que diz que nem todos que baixaram o ad-block em seus celulares, de fato estão o utilizando.

A visão da pesquisa foi feita em cima de demografia por detrás do aplicativo e não necessariamente aponta nenhum tipo de tendência, embora sugira o crescimento de quase 50% até o fim do ano que vem.

“As pessoas querem bloquear propagandas, pois cada vez mais elas estão se tornando irritantes e invasivas”, disse o CEO da Tune Peter Hamilton, em uma declaração via e-mail. “Muito da responsabilidade desse fenômeno cai em cima de empresas que não conseguem monetizar de maneira responsável as propagandas de seus parceiros. Consumidores permitiriam propagandas se suas experiências fossem algo que entretece ou ajudasse”.